Saltar para o conteúdo principal da página

Paço Real dos Negros, incluindo uma azenha e terrenos confinantes, junto à Ribeira de Muge - detalhe

Designação

Designação

Paço Real dos Negros, incluindo uma azenha e terrenos confinantes, junto à Ribeira de Muge

Outras Designações / Pesquisas

Pórtico de Paço dos Negros / Paço dos Negros da Ribeira de Muge(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Paço

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Santarém / Almeirim / Fazendas de Almeirim

Endereço / Local

-- junto à ribeira de Muge
Paço dos Negros

Proteção

Situação Actual

Procedimento encerrado / arquivado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Em 27-07-2005 foi dado conhecimento do despacho à CM de Almeirim e aos proprietários
Despacho de 21-06-2005 do presidente do IPPAR a revogar o despacho de abertura de 1-07-1999
Proposta de 27-05-2005 da DR de Lisboa do IPPAR para a revogação do despacho de abertura
Despacho de concordªancia de 15-05-2003 do presidente do IPPAR
Parecer de 7-05-2003 do Conselho Consultivo do IPPAR de que o conjunto se inscreve na categoria de IM
Proposta de encerramento de 9-10-2001 da DR de Lisboa, por o conjunto não apresentar um valor cultural de âmbito nacional
Despacho de abertura de 1-07-1999 do vice-presidente do IPPAR
Proposta de 25-06-1999 da DR de Lisboa para a abertura da instrução de processo de classificação

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Fundada em 1411 por D. João I, a vila da Almeirim tornou-se desde a data do seu povoamento a sede de um dos palácios de inverno da corte, tornando-se posteriormente local de eleição dos vários monarcas da Dinastia de Avis e assumindo um relevante papel na vida política do reino ao longo do século XVI.
Junto à povoação, na margem da Ribeira de Muge, existia uma outra residência real, designada Paço de Muge, cuja mais antiga referência documental data de 1566, quando Damião de Góis refere na Crónica do Felicíssimo Rei D. Manuel que o monarca "(...) fez de novo os Paços da Ribeira de Muja por ali haver muita caça, montaria que há naquela comarca, nos quais mandou pôr todo o serviço necessário de mesa, cozinha, camas, leitos, roupas de linho para os que consigo levava (...)" (VASCONCELOS, Frazão de, 1965, pp. 14-15).
Este paço seria, portanto, local de pernoita para o rei e os seus acompanhantes nas caçadas de inverno naquela zona do Ribatejo. Nessa época, a residência passaria a ser designada por Paço dos Negros pelo facto de o monarca ter aí instalado alguns escravos negros, que passaram a habitar as dependências do edifício principal (Idem, ibidem, p. 15).
Dos elementos subsistentes do conjunto arquitectónico do Paço dos Negros, que albergava também uma capela, podem apontar-se o portal de acesso à casa, encimado com as armas reais, e seis merlões de gosto manuelino.
Pouco resta do espólio decorativo da casa, mas numa carta de quitação de D. Manuel, escrita cerca de 1512, são referenciados diversos objectos destinados às obras da casa, como um conjunto de azulejos hispano-árabes que ornamentava as paredes do paço, e dos quais subsistem alguns exemplares no Museu da Casa do Povo de Almeirim, e mobiliário diverso originário da Flandres.
Catarina Oliveira
GIF/IPPAR/2005

Bibliografia

Título

Portugal antigo e moderno: diccionario geographico, estatistico, chorographico, heraldico, archeologico, historico, biographico e etymologico de todas as cidades, villas e freguezias de Portugal e de grande numero de aldeias...

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

PINHO LEAL, Augusto Soares d'Azevedo Barbosa de, FERREIRA, Pedro Augusto

Título

Subsídios para a história da vila de Almeirim

Local

Lisboa

Data

1965

Autor(es)

VASCONCELOS, Frazão de