Saltar para o conteúdo principal da página

Villa romana de Miroiços - detalhe

Designação

Designação

Villa romana de Miroiços

Outras Designações / Pesquisas

Villa Romana de Miroiços(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Cascais / Alcabideche

Endereço / Local

Alto do Barril
Malveira da Serra

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 5/2002, DR, I Série-B. n.º 42, de 19-02-2002 (ver Decreto)
Edital N.º 595/98 de 2-11-1998 da CM de Cascais
Despacho de autorização e classificação de 3-04-1997 do Ministro da Cultura
Parecer de 17-03-1997 do Conselho Consultivo do IPPAR a propor a classificação como IIP
Despacho de abertura de 8-01-1996 do vice-presidente do IPPAR
Proposta de 2-01-1995 do Departamento de Arqueologia do IPPAR para a abertura da instrução de processo de classificação

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Sítio
O arqueossítio conhecido como " Villa Romana de Miroiços", cuja extensão completa é desconhecida, situa-se numa colina sobranceira às dunas do Guincho, junto ao Alto do Barril, no meio dos pinhais que se estendem para norte da povoação da Areia. Atualmente este sítio encontra-se tapado, aguardando uma futura musealização.
No local foi identificado um conjunto termal utilizado entre o século II e V, sendo este conjunto constituído por um tanque, que terá servido como piscina (natatio); três salas com vestígios das arcarias (suspensurae) do (hipocaustum); a sala da fornalha (praefurnium) no lado sul e em mau estado de conservação; a sala de banhos quentes (caldarium) no lado poente e os banhos mornos (tepidarium) a norte. Em todo o conjunto identificado, nota-se apenas a ausência da sala de banhos frios (frigidarium) e os vestuários (apodyterium). Estas termas deveriam estar associadas a uma villa que, no entanto, nunca foi identificada, podendo esta ausência estar relacionada com a contínua mobilização dos solos para uso agrícola (CARDOSO e ENCARNAÇÃO, 1995, p. 27).
A 200 Metros para nordeste das termas romanas, num pequeno socalco a meio da encosta, dominando todo o espaço envolvente para sul, com visibilidade para o mar, foi identificada uma estrutura datada da Alta Idade Media, apresentando uma planta retangular irregular com dois compartimentos paralelos e uma pequena ligação entre eles.
Os trabalhos realizados em toda esta área revelaram um variado conjunto de espólio de época romana, como grandes quantidades de material de construção, principalmente imbricese, tegulae e blocos de pedra talhada, bem como fragmentos de cerâmica comum e sigillata clara, para além de uma conta em vidro azul-escura. De época medieval destaca-se um espigão de ferro, uma lâmina de pá oval e um ferro de aguilhão.

História
O sítio arqueológico de Miroiços foi identificado pela primeira vez em Maio de 1895 por Leite de Vasconcelos que, na sua primeira deslocação ao terreno, observou uma elevada quantidade de materiais à superfície, sobretudo de época romana. O investigador considerou tratar-se de uma villa romana tendo em conta o material recolhido e os vestígios de uma construção de alvenaria com aparelho típico do período romano.
Nos anos cinquenta do século XX, Afonso do Paço e Fausto de Figueiredo realizaram no local algumas sondagens, das quais não se conhecem os resultados. É apenas nos anos oitenta que o arqueólogo Guilherme Cardoso identifica com precisão esta estação arqueológica no decurso dos trabalhos de prospeção que efetuou.
Escavações mais aprofundadas do sítio realizaram-se apenas nos anos noventa, entre 1994 e 1996 quando foi identificado o conjunto termal de época romana, a casa Alto Medieval bem como um grande número de espólio que hoje se encontra à guarda da Câmara Municipal de Cascais.

Ana Teresa Henriques e Maria Ramalho/DGPC/2018.

Imagens

Bibliografia

Título

Carta arqueológica do Concelho de Cascais

Local

Cascais

Data

1991

Autor(es)

CARDOSO, Guilherme

Título

Cascais no tempo dos Romanos

Local

Cascais

Data

1986

Autor(es)

ENCARNAÇÃO, José d', CARDOSO, Guilherme

Título

Antigualhas das proximidades de Lisboa: 1- Ruinas romanas da Malveira de Cascais, 2- Sepulturas romanas de Caparide, 3- Grutas prehistoricas de Cascais.

Local

-

Data

-

Autor(es)

-

Título

Cascais no tempo dos romanos, Revista de Arqueologia

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

ENCARNAÇÃO, José d', CARDOSO, Guilherme

Título

Antigualhas das proximidades de Lisboa: 1- Ruinas romanas da Malveira de Cascais, 2- Sepulturas romanas de Caparide, 3- Grutas prehistoricas de Cascais.

Local

-

Data

-

Autor(es)

VASCONCELLOS, José de Leite de

Título

A Presença Romana em Cascais - Um Território da Lusitânia Ocidental. Catálogo da exposição. Museu Nacional de Arqueologia-Câmara Municipal de Cascais

Local

Lisboa

Data

1995

Autor(es)

ENCARNAÇÃO, José d', CARDOSO, Guilherme

Título

Um casal medieval em Miroiços (Malveira da Serra, Alcabideche, Cascais). In Al-madan, II série

Local

Almada

Data

1996

Autor(es)

ENCARNAÇÃO, José d', CARDOSO, Guilherme