Saltar para o conteúdo principal da página

Antigo Colégio (Externato Silvense) - detalhe

Designação

Designação

Antigo Colégio (Externato Silvense)

Outras Designações / Pesquisas

Casa na Rua da Sé, n.º 17 a 23 / Colégio Externato Silvense(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Faro / Silves / Silves

Endereço / Local

Rua da Sé
Silves

Número de Polícia: 17 - 23

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

Edital n.º 39/2010 de 22-04-2010 da CM de Silves
Deliberação camarária de 21-04-2010

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
Localizado na Rua da Sé, antiga Rua Joaquim António de Aguiar, fazendo gaveto com a atual Travessa da Cató, anteriormente designada por Travessa Joaquim António de Aguiar, o edifício do antigo Externato Silvense terá sido edificado entre os séculos XVII e XVIII, tendo em conta as caraterísticas arquitetónicas que apresenta. A sua localização na zona antiga de Silves, na proximidade do templo mais relevante da urbe aponta, também, para a importância dos seus primeiros proprietários.
O imóvel apresenta uma planta retangular disposta na horizontal com cobertura homogénea em telhado de quatro águas e chaminé retangular. A fachada nascente (principal), devido à inclinação do terreno, ostenta três pisos na extremidade sul e dois na extremidade norte. Exibe cunhais marcados, cimalha com beirado e um friso que estabelece a divisão dos pisos. O andar nobre exibe sete janelas emolduradas por cantaria de verga e cornija curvas, sendo três de sacada com guardas em ferro e quatro de peito. O piso térreo, por sua vez, apresenta cinco janelas de cantaria simples e duas portas, uma de moldura simples e outra de verga reta arquitravada, esta última rematada por óculo elíptico. No piso da cave surge uma fresta e duas portas com moldura simples. A fachada norte é cega.

História
Esta casa integrou os bens do morgado instituído a 31 de janeiro de 1753 a favor de Filipe Alistão Telles Moniz Côrte-Real, por sentença do Supremo Tribunal da Relação. O edifício em 1786 é descrito como "Humas cazas grandes de tres janellas de sacada com grades de ferro que constão de sette altos cinco bachos com seu pateo varanda e quintal de arvores e alpenduradas palheyro e cavalhariça sitas na rua da Sé desta cidade com seu padrão de armas" . O edifício passou, no século XIX, para as mãos de Manuel Raimundo Telles Moniz Côrte-Real, capitão-mor de Silves e compadre de José Joaquim de Sousa Reis, mais conhecido pela alcunha de "Remexido". Manuel Côrte-Real passou a habitar a casa em 1804, depois de ter promovido diversas obras de melhoramento, altura em que se terá configurado a atual fachada. No inventário de sua mulher, D. Mª José da Costa e Silva, datado de 1826, surge a referência a "uma morada de casas na Rua da Sé desta cidade que constam de 6 casas e 4 bachos, 2 alpenduradas e 2 palheiros, tudo coberto de telha, 2 quintais com seu forno (...)".
Em 1970 o edifício foi adquirido pelo Padre José dos Santos Oliveira para aí fundar o Externato Silvense, encontrando-se hoje o imóvel, infelizmente, praticamente todo devoluto.

Maria Ramalho/DGPC/2016 com o apoio de Jorge Estevão Correia/C. M. Silves.

Imagens

Bibliografia

Título

Silves. Guia turístico da cidade e do concelho

Local

Silves

Data

2002

Autor(es)

DOMINGUES, José Domingos Garcia