Saltar para o conteúdo principal da página

Casa na Travessa da Misericórdia, 43 - detalhe

Designação

Designação

Casa na Travessa da Misericórdia, 43

Outras Designações / Pesquisas

Casa na Travessa da Misericórdia, n.º 43 (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Beja / Ferreira do Alentejo / Ferreira do Alentejo e Canhestros

Endereço / Local

Travessa da Misericórdia
Ferreira do Alentejo

Número de Polícia: 43

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

Aviso n.º 7515/2003, Apêndice n.º 147, 2.ª série, n.º 225, de 29-09-2003 (ver Aviso)
Deliberação camarária de 30-10-2002 a aprovar a classificação como de IM

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
O edifício com o nº 43 da Travessa da Misericórdia que surge na continuação da rua Cândido dos Reis, localiza-se em plena zona histórica da vila de Ferreira do Alentejo, a Sul da Igreja Matriz e na vizinhança do antigo Rossio ou seja, junto dos principais símbolos do poder político e religioso.
Apesar da sua reduzida escala, este edifício é bem o exemplo de uma casa de habitação de finais do século XIX, inícios do século XX já com algum aparato, compondo-se de dois pisos, sendo que, no piso superior, surge uma varanda em ferro forjado do tipo barrinha que acompanha duas janelas de sacada de arco apontado. No prolongamento deste corpo, bem marcado por falsas pilastras nos cantos, surge um outro edifício térreo com apenas uma janela de arco de volta perfeita e requintados pormenores decorativos em estuque. Uma platibanda decorada com falsos balaústres em argamassa relevada foi também utilizada para rematar este corpo.


História
A maior parte dos edifícios de aparato (palacetes ou casas nobres) da vila de Ferreira do Alentejo foram erguidos pelas famílas Vilhenas, Lacerdas, Sousas ou Passanhas, não sendo esta casa uma exceção. De facto, o edifício foi mandado construir pelo comendador José de Vilhena, ostentando, na fachada, entre as duas janelas do piso superior, o brasão da família.

Sílvia Leite/IPPAR/2006, atualizado por Maria Ramalho/DGPC/2016.

Imagens