Saltar para o conteúdo principal da página

Praça de Touros Amadeu Augusto dos Santos - detalhe

Designação

Designação

Praça de Touros Amadeu Augusto dos Santos

Outras Designações / Pesquisas

Praça de Toiros Amadeu Augusto dos Santos
Praça de Touros do Montijo / Praça de Touros de Montijo / Praça de Touros Arquitecto Amadeu Augusto dos Santos(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Setúbal / Montijo / Montijo e Afonsoeiro

Endereço / Local

Avenida de Olivença
Montijo

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

Edital N.º 82/2009 de 25-06-2009 da CM de Montijo
Deliberação de 24-06-2009 da CM de Montijo a determinar a classificação como de IM
Em 26-05-2009 foi dado conhecimento do despacho à CM de Montijo
Despacho de encerramento de 3-04-2009 do director do IGESPAR, I.P.
Proposta de encerramento de 30-03-2009, da DRC de Lisboa e Vale do Tejo, por não ter valor nacional
Edital N.º 139/2008 de 5-08-2008 da CM de Montijo
Deliberação de 20-08-2008 da CM de Montijo a determinar a abertura do procedimento de classificação como de IM

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Praça de Touros do Montijo, hoje denominada Praça Amadeu Augusto dos Santos, grande aficionado e impulsionador da sua construção, foi construída em 1957. O projecto deve-se ao arquitecto Amadeu José Gomes dos Santos, filho de Amadeu Augusto dos Santos. O edifício segue a tipologia habitual, com planta centralizada e bancadas dispostas em torno da arena circular. A cobertura dos camarotes e tribuna é feita em pala de betão sobre pilares. As fachadas são ritmadas por pilastras lisas, e divididas em dois registos, realçados pelas cores dos muros (um vermelho terroso no piso inferior e um amarelo muito pálido no piso superior). O piso superior é vazado por um série regular de janelas quadradas, que percorrem todos os panos; no piso térreo rasgam-se várias portas, diferenciadas para o público, os cavalos e o gado. A entrada principal é composta por um corpo ligeiramente avançado, dividido em três registos. No piso térreo abrem-se três grandes portões gradeados, no registo médio existe uma zona destinada à afixação de cartazes, e o piso superior remata em três abóbadas de berço em betão.
No interior corre um vestíbulo que dá acesso aos diversos espaços funcionais da praça, organizados ao longo do muro exterior. Oposta a estes espaços, e sob o anfiteatro, fica a galeria de acesso à arena, destinada aos participantes no espectáculo. O acesso ao anfiteatro é feito por seis escadarias distribuídas ao longo do vestíbulo. A arena é delimitada pela barreira do anfiteatro, e pela trincheira em madeira.
Sílvia Leite / DIDA/IGESPAR, I.P./2009

Imagens