Saltar para o conteúdo principal da página

Praça de Touros de Santarém - detalhe

Designação

Designação

Praça de Touros de Santarém

Outras Designações / Pesquisas

Praça de Toiros de Santarém
Praça de Touros Celestino Graça
Praça de Touros "A Monumental" / Praça de Touros de Santarém(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Santarém / Santarém / União de Freguesias da cidade de Santarém

Endereço / Local

Campo Emílio Infante da Câmara (Campo da Feira)
Santarém

Proteção

Situação Actual

Procedimento encerrado / arquivado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Em 1-06-2009 foi dado conhecimento do despacho à CM de Santarém e à proprietária
Despacho de encerramento de 16-03-2009 do director do IGESPAR, I.P.
Parecer de 3-03-2009 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P. a propor o encerramento do processo, por o imóvel não ter valor nacional
Em 28-11-2008 a CM de Santarém solicitou a suspensão do processo de classificação, face a poder condicionar, ou mesmo comprometer, o sucesso do trabalho desenvolvido no planeamento e ordenamento urbanístico do designado Campo Emílio Infante da Câmara, onde o imóvel de integra
Em 5-12-2006 foi solicitado parecer à CM de Santarém sobre a eventual classificação do imóvel
Processo iniciado na DR de Lisboa em Julho de 2004 por solicitação do presidente do IPPAR

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Praça de Touros Celestino Graça foi inaugurada em 1964, sendo o projecto da autoria do Arquitecto Pedro Cid, um dos elementos mais representativos do Movimento Moderno em Portugal. Para a construção da Praça foi aproveitada a forma natural do terreno, em declive, e a arena ficou situada num plano inferior ao da rua, permitindo-se desta forma uma separação nítida dos serviços e do público. A economia da construção foi outro elemento a ter em conta neste aproveitamento do terreno, e ainda nas soluções de materiais escolhidos pelo arquitecto, que usou essencialmente o betão modulado em sólidos geométricos simples. Os muros exteriores do edifício, de forma cilíndrica, resultaram do preenchimento de uma estrutura básica, em betão aparente, com grelhas cerâmicas (no registo inferior), painéis brancos (no registo médio) e vãos abertos (no registo superior). A leveza e serenidade do conjunto foi alterada ao longo do tempo, pela pintura das vigas de betão em tons de ocre, pelo fechamento de algumas janelas e vãos, ou ainda pela colocação de painéis publicitários nos paramentos.
Em 2004, a Santa Casa da Misericórdia de Santarém, proprietária do imóvel, considerou ser esta Praça insuficiente em termos de capacidade, e ainda demasiado onerosa no que respeita à manutenção, pretendendo a sua demolição.
Sílvia Leite / DIDA/IGESPAR, I.P./2009

Imagens