Saltar para o conteúdo principal da página

Ponte Filipina sobre a ribeira de Caparide - detalhe

Designação

Designação

Ponte Filipina sobre a ribeira de Caparide

Outras Designações / Pesquisas

Ponte Filipina de São Pedro do Estoril / Ponte Filipina de São Pedro do Estoril / Ponte Filipina sobre a ribeira de Caparide(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Cascais / Cascais e Estoril

Endereço / Local

Ribeira de Caparide
São Pedro do Estoril

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

Aviso de 30-06-2008, publicado no Boletim Municipal de 17-07-2008
Despacho de 4-06-2008 da Vereadora da Cultura, Educação e Assuntos Sociais e Saúde da CM de Cascais a classificar o imóvel como de IM
Em 3-05-2004 foi dado conhecimento do despacho à CM de Cascais
Despacho de concordância de 24-03-2004 do presidente do IPPAR, com o consequente encerramento do procedimento de classificação de âmbito nacional
Proposta de 16-09-2003 da DR de Lisboa para que se considere que a ponte não tem valor cultural para uma classificação de âmbito nacional
Pedido de parecer de 31-07-2003 da CM de Cascais sobre a eventual classificação como de IM
Deliberação de 2-12-2002 da CM de Cacscais a determinar o interesse na abertura do procedimento de classificação como de IM

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
A ponte implanta-se na localidade de São Pedro do Estoril na zona da foz da Ribeira de Caparide, um local ainda hoje aprazível e que, em tempos, foi também denominado Cai-Água visto o curso de água precipitar-se em cascata sobre a falésia sobranceira ao mar. Aproveitando a força da ribeira existiu neste local uma azenha e um conjunto de casebres destinados à instalação do moleiro que também controlaria a produção de um moinho de vento localizado nas proximidades.
Atualmente a estrutura da ponte passa despercebida devido à construção da Estrada Marginal (EN6) nas proximidades, e à falta de interesse na sua manutenção e valorização. De facto, o que resta do tabuleiro plano que agora se encontra vedado à passagem e que já não comunica com a outra margem, apresenta-se oculto por terra e vegetação que desordenadamente cresce em seu redor. A guarda a montante encontra-se praticamente intacta, enquanto a guarda a jusante desapareceu devido ao corte provocado pelo desenho da Estrada Marginal em 1940.
Edificada no século XVII em alvenaria de pedra calcária rebocada pelo exterior, a ponte foi objeto de algumas alterações ao longo dos tempos, alterações estas mais visíveis ao nível do interior dos arcos de volta perfeita construídos com recurso a silhares de aparelho regular sem reboco. Possui esta ponte dois talha-mares piramidais em cada uma das faces de modo a reforçar os pilares e a evitar o impacto das águas.
História
Nos finais do século XVI o estado das estradas que ligavam a vila de Cascais à cidade de Lisboa e aos lugares situados no seu termo era bastante precário, sobretudo desde as cheias de 1518. Para além da normal circulação de pessoas e bens, as pontes e vias constituíam um elemento fundamental na ligação entre as fortalezas da linha de costa reforçadas sobretudo a partir do século XVII.
A 17 de Março de 1604, a Câmara, com o conhecimento e autorização do rei Filipe II, faz o lançamento de uma "finta" ou "derrama" (imposto municipal) de modo a solucionar o problema da passagem da Ribeira de Cai-Água. O empreiteiro da obra foi João Jorge Morgado que arrematou a construção pelo valor de 76.000 reais. Nesta época a ponte era designada como Ponte de Laiagoa.
Maria Ramalho/DGPC/2015. Colaboração de Sónia Rodrigues Sousa/CMCascais

Imagens

Bibliografia

Título

Dicionário Histórico e Documental dos Arquitectos, Engenheiros e Construtores Portugueses

Local

Lisboa

Data

1988

Autor(es)

VITERBO, Francisco M. de Sousa

Título

Cascais Vila de Corte. Oito séculos de história

Local

Cascais

Data

1964

Autor(es)

ANDRADE, Ferreira de

Título

Cascais e os seus Cantinhos

Local

Cascais

Data

2002

Autor(es)

ENCARNAÇÃO, José d'

Título

Subsídios para a História do Concelho de Cascais - As comunicações de Cascais para Lisboa, Terrestres, Ferroviárias, Marítimas, Postais, Telegráficas e Telefónicas

Local

Cascais

Data

1940

Autor(es)

VIEGAS, João da Cruz

Título

Registo Geral das Mercês, D. Maria II, Livro 14, Torre do Tombo

Local

Lisboa

Data

-

Autor(es)

Arquivo Nacional da Torre do Tombo