Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja do Espírito Santo - detalhe

Designação

Designação

Igreja do Espírito Santo

Outras Designações / Pesquisas

Igreja do Espírito Santo (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Beja / Moura / Moura (Santo Agostinho e São João Baptista) e Santo Amador

Endereço / Local

Rua do Espírito Santo
Moura

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 740-DP/2012, DR, 2.ª série, n.º 248 (suplemento), de 24-12-2012 (ver Portaria)
Procedimento prorrogado até 31-12- 2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 21-11-2012 da diretora-geral da DGPC
Anúncio n.º 14990/2011, DR, 2.ª série, n.º 201, de 19-10-2011 (ver Anúncio)
Despacho de concordância de 6-06-2011 do diretor do IGESPAR, I.P.
Parecer de 31-05-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura a propor a classificação como MIP
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Proposta de 24-06-2009 da DRC do Alentejo para a classificação como IIP
Edital de 2-01-2006 da CM de Moura
Despacho de abertura de 10-10-2005 do presidente do IPPAR
Proposta de 30-09-2005 da DR de Évora para a abertura da instrução do processo de classificação
Proposta de classificação de 3-03-2005 da CM de Moura

ZEP

Portaria n.º 740-DP/2012, DR, 2.ª série, n.º 248 (suplemento), de 24-12-2012 (sem restrições) (ver Portaria)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 21-11-2012 da diretora-geral da DGPC
Anúncio n.º 14990/2011, DR, 2.ª série, n.º 201, de 19-10-2011 (ver Anúncio)
Despacho de concordância de 6-06-2011 do diretor do IGESPAR, I.P.
Parecer favorável de 31-05-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 24-06-2009 da DRC do Alentejo

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Igreja do Espírito Santo de Moura, cuja construção foi patrocinada pelo provedor e irmãos da Santa Casa da Misericórdia da vila, erigiu-se cerca de 1600, (CAETANO; SERRÃO, 1999, p. 72), tendo sido durante décadas sede da irmandade do Espírito Santo.
A obra é da autoria do arquitecto João de Morais, conforme atesta o contrato de 8 de Janeiro de 1600, celebrado entre o mestre mourense e a Misericórdia local (idem, ibidem).
Depois da implantação da República, o edifício foi vendido a particulares, sendo utilizado durante largos anos como armazém. Desde Abril de 2007, o templo é propriedade da Câmara Municipal de Moura, que ali pretende instalar a Galeria Municipal de Arte.
A Igreja do Espírito Santo encontra-se em avançado estado de degradação; no entanto, a estrutura mantém intacta a traça primitiva, onde se pode distinguir a fachada marcada por contrafortes, coroados por pináculos, considerado um modelo local, que "se repete" na região (idem, ibidem).
Destaca-se ainda o núcleo de frescos que decora a abóbada do templo, uma "obra epi-maneirista da primeira metade do século XVII", de cerca de 1630-1640, atribuída ao pintor Francisco Lopes (idem, ibidem).
O conjunto enquadra em medalhões, no espaço entre as nervuras da abóbada, figuras de santos e alegorias à Paixão de Cristo e às Virtudes da Igreja, numa pintura "algo convencionada, muito ao jeito das oficinas fresquistas eborenses" (idem, ibidem).
Catarina Oliveira
DIDA/IGESPAR/ 23 de Agosto de 2007

Bibliografia

Título

A pintura em Moura - séculos XVI, XVII e XVIII

Local

Moura

Data

1999

Autor(es)

SERRÃO, Vítor, CAETANO, Joaquim Oliveira