Saltar para o conteúdo principal da página

Campo Militar de Trancoso, também denominado Campo Militar de São Marcos - detalhe

Designação

Designação

Campo Militar de Trancoso, também denominado Campo Militar de São Marcos

Outras Designações / Pesquisas

Terreiro Militar de Trancoso / Campo Militar de Trancoso/ Campo da Batalha de Trancoso / Campo Militar de São Marcos / Terreiro de Batalha de Trancoso (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Guarda / Trancoso / Trancoso (São Pedro e Santa Maria) e Souto Maior

Endereço / Local

-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto n.º 31-E/2012, DR, 1.ª série, n.º 252 (suplemento), de 31-12-2012 (toda a área é considerada ZNA, de acordo com o preâmbulo e a planta anexa ao diploma que faz parte integrante do mesmo) (ver Decreto)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 2-10-2012 do diretor-geral da DGPC
Anúncio n.º 12202/2012, DR, 2.ª série, n.º 107, de 1-06-2012 (ver Anúncio)
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Despacho de concordância de 7-11-2011 do diretor do IGESPAR, I.P.
Parecer de 26-10-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura a propor a classificação como MN e que toda a área a classificar seja considerada ZNA
Nova proposta de 6-10-2011 da DRC do Centro, de acordo com o Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, N.º 206 de 23-10-2009 (ver Decreto), que veio institutir a possibilidade de os conjuntos e sítios incluírem ZNA
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Edital de 31-07-2007 do IGESPAR, I.P.
Despacho de concordância de 12-07-2007 da vice-presidente do IGESPAR, I.P.
Novo parecer de 11-07-2007 do Conselho Consultivo do IPPAR a propor a classificação como MN e que toda a área seja considerada ZNA
Despacho de concordância de 30-03-2007 do presidente do IPPAR
Novo parecer de 19-03-2007 do Conselho Consultivo do IPPAR a propor a classificação como MN e que toda a área seja considerada ZNA
Proposta de 13-02-2007 da DR de Castelo Branco para a classificação como MN
Edital de 5-12-2006 da CM de Trancoso
Edital de 23-10-2006 do IPPAR
Edital de 13-12-2004 da CM de Trancoso
Despacho de homologação de 4-10-2004 da Ministra da Cultura
Parecer de 9-06-2004 do Conselho Consultivo do IPPAR a propor a classificação como MN e que toda a área seja considerada ZNA
Edital de 24-06-2003 da CM de Trancoso
Despacho de abertura de 6-05-2003 do vice-presidente do IPPAR
Proposta de classificação de 5-05-2003 do EME

ZEP

Despacho de concordância de 12-07-2007 da vice-presidente do IGESPAR, I.P.
Novo parecer favorável de 11-07-2007 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P.
Despacho de concordância de 30-03-2007 do presidente do IPPAR
Parecer favorável de 19-03-2007 do Conselho Consultivo do IPPAR
Proposta de 13-02-2007 da DR de Castelo Branco para o não estabelecimento de qualquer ZEP
Despacho de 15-01-2007 da vice-presidente do IPPAR a determinar a revisão da ZEP
Proposta de 2-01-2007 da DR de Castelo Branco

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Batalha de Trancoso foi travada no final do mês de Maio de 1385, no campo de São Marcos, entre um grupo de tropas senhoriais portuguesas e forças castelhanas, durante a crise dinástica de 1383-1385.
Nessa época, ao mesmo tempo que a fronteira de Elvas era invadida pelas tropas de D. João de Castela, um destacamento castelhano entrou na fronteira beirã por Almeida, passando por Trancoso, e chegou a Viseu, invadindo e saqueando a cidade.
Ao retornar da incursão, confrontaram-se junto à Capela de São Marcos de Trancoso com as tropas dos alcaides de Linhares, Trancoso e Celorico, que venceram o contigente castelhano.
Cerca de um mês depois, a caminho de Aljubarrota, as tropas de Castela, à passagem por Trancoso, incendiaram o templo de São Marcos, como represália pela derrota sofrida no local algumas semanas antes.
O confronto de Trancoso em Maio de 1385, embora se tenha travado entre forças senhoriais, foi da maior importância na Guerra da Independência, uma vez que provocou graves baixas entre os comandos do exército castelhano, contribuindo em larga medida para a vitória portuguesa em Aljubarrota.
Catarina Oliveira
GIF/ IPPAR/ 2007

Imagens

Bibliografia

Título

Acerca da Batalha de Trancoso

Local

Trancoso

Data

1986

Autor(es)

ARNAUT, Salvador Dias