Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja de São Silvestre de Unhos - detalhe

Designação

Designação

Igreja de São Silvestre de Unhos

Outras Designações / Pesquisas

Igreja de São Silvestre, matriz de Unhos / Igreja Matriz de Unhos / Igreja Paroquial de Unhos / Igreja de São Silvestre(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Lisboa / Loures / Camarate, Unhos e Apelação

Endereço / Local

Largo de São Silvestre
Unhos

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIP - Monumento de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 454/2012, DR, 2.ª série, n.º 181, de 18-09-2012 (ver Portaria)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 13-03-2012 da subdiretora-geral do IGESPAR, I.P.
Anúncio n.º 19054/2011, DR, 2.ª série, n.º 243, de 21-12-2011 (ver Anúncio)
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Despacho de concordância de 16-06-2011 do diretor do IGESPAR, I.P.
Parecer de 31-05-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura a propor a classificação como MIP
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Proposta de 29-06-2009 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo para a classificação como IIP
Edital de 6-02-2007 da CM de Loures
Despacho de abertura de 23-11-2006 do presidente do IPPAR
Parecer de 4-10-2006 do Conselho Consultivo do IPPAR a propor a abertura de procedimento de classificação de âmbito nacional
Proposta de encerramento de 23-06-2003 da DR de Lisboa, por não ter valor nacional
Proposta de classificação de 30-06-1999 da CM de Loures

ZEP

Portaria n.º 454/2012, DR, 2.ª série, n.º 181, de 18 de-09-2012 (sem rtestrições) (ver Portaria)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 13-03-2012 da subdiretora-geral do IGESPAR, I.P.
Anúncio n.º 19054/2011, DR, 2.ª série, n.º 243, de 21-12-2011 (ver Anúncio)
Despacho de concordância de 16-06-2011 do diretor do IGESPAR, I.P.
Parecer favorável de 31-05-2011 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 29-06-2009 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Povoada desde a época romana, a vila de Unhos foi, ao longo de vários séculos, desde a Idade Média, um centro piscatório muito activo nas margens do rio Trancão, tendo sido reguengo de D. Dinis e senhorio de D. Nuno Álvares Pereira.
A igreja matriz, dedicada a São Silvestre e de fundação medieval, foi reedificada cerca de 1668, (www.paroquiaunhoscatujal.com), num modelo de gosto maneirista de grandes dimensões e linhas monumentais.
Com o terramoto de 1755, a estrutura sofreu alguns danos; a fachada foi refeita, embora mantivesse os portais maneiristas, bem como a abóbada da nave, reedificada sobre os arcos seiscentistas.
A planta rectangular é composta pelos volumes justapostos da nave e da capela-mor, mais pequena. O frontispício do templo, delimitado por contrafortes, divide-se em três registos, o primeiro com portal principal ao centro, encimado por frontão interrompido e ladeado por dois vãos rectangulares cegos, com frontões mais pequenos. No registo intermédio foram rasgadas três janelas, alinhadas com os portais do piso térreo. A fachada é rematada com frontão, rasgada por óculo.
As fachadas laterais são marcadas pela disposição de contrafortes, que as dividem em três panos com dois registos. Nos pisos superiores foram abertas três janelas, que iluminam a nave. Na fachada lateral esquerda, junto à sacristia, foi edificada a torre sineira, que conserva ainda a porta gótica.
O espaço interior é de nave única, com seis capelas laterais, de diferentes profundidades. Do lado do Evangelho situam-se a capela baptismal, a capela de Nossa Senhora da Paz, ornamentada com madeira policroma, e uma terceira capela, junto à capela-mor, feita depois do terramoto de 1755, com uma imagem de Nossa Senhora.
Do lado da Epístola, uma capela com cruz processional quinhentista, seguida da capela de Nossa Senhora da Piedade, fundada no século XVII pelo Padre Leonardo Anes (SERRÃO, 1970, p. 48), que alberga uma imagem da Pietá, complementada por uma tela colocada na parede fundeira, com a representação do Calvário, do final de Seiscentos. Junto ao arco formeiro, a capela dedicada a São Miguel Arcanjo, de talha setecentista.
A capela-mor, precedida por arco de mármore policromo, no qual se embutiram dois altares colaterais de talha, possui grande retábulo de talha setecentista, incorporando a imagem do orago.
No entanto, do programa decorativo interior destacam-se as pinturas quinhentistas, da autoria do pintor lisboeta Diogo de Contreiras, conhecido até há poucos anos como Mestre de São Quintino (SERRÃO, 1970; SERRÃO, 2002). O primeiro conjunto, datado de 1537-1538 (SERRÃO, 2002, p. 227) integra duas tábuas principais, com cenas da vida de São Silvestre - o Santo papa ressuscitando o touro morto por Zambri perante o Imperador Constantino, e a conversão de Constantino - uma representação iconográfica rara (SERRÃO, 1970, p. 27), acompanhadas por duas predelas com imagens de apóstolos.
A par deste conjunto, a Igreja de Unhos possui ainda um outro grupo de quatro painéis, que pertenceriam a um "(...) segundo retábulo (certamente incompleto), talvez para a sacristia (...)", onde se representam São João Baptista, São Pedro, São Roque e São Silvestre, atribuídos também a Diogo de Contreiras, feitos embora numa fase mais tardia, possivelmente entre 1560-1570 (Idem, ibidem, pp. 38-41).
Catarina Oliveira
DIDA/ IGESPAR/ 2007

Imagens

Bibliografia

Título

História da Arte em Portugal - o Renascimento e o Maneirismo

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

SERRÃO, Vítor

Título

Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa, vol. III (Mafra, Loures e Vila Franca de Xira)

Local

Lisboa

Data

1963

Autor(es)

AZEVEDO, Carlos de, FERRÃO, Julieta, GUSMÃO, Adriano de

Título

Os painéis da igreja de Unhos : séculos XVI - XVII, Boletim Cultural, nº 73-74, p. 27-52

Local

Lisboa

Data

1970

Autor(es)

SERRÃO, Vítor