Saltar para o conteúdo principal da página

Moinho de Vento de Odemira - detalhe

Designação

Designação

Moinho de Vento de Odemira

Outras Designações / Pesquisas

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Beja / Odemira / São Salvador e Santa Maria

Endereço / Local

-

Proteção

Situação Actual

Procedimento encerrado / arquivado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Despacho de encerramento de 30-03-2006

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
O moinho de vento em questão localiza-se a Este da vila de Odemira, no "Cerro dos Moinhos Juntos" pois, tal como o nome indica, do outro lado de uma pequena via implantada nesta elevação, existe um outro moinho em tudo idêntico mas que, neste caso, se encontra em adiantado estado de ruína.
Trata-se de uma construção de planta circular simples e regular, elaborada em pedra aparelhada e rebocada sobre a qual assenta uma estrutura de madeira que serve de suporte ao tejadilho giratório de chapa zincada e pintada de preto. Atualmente o moinho apresenta-se caiado de branco, com barras azuis pintadas quer no soco, como em redor da porta voltada a Norte e da pequena janela retangular do primeiro piso virada a Oeste.
No exterior, ao nível do embasamento, o moinho possuiu a toda a volta um pequeno muro de apoio. Do capelo móvel destaca-se o mastro cruzado por oito varas às quais se fixam, quando colocadas, quatro velas triangulares ligadas por travadoiras.
No interior existem três pisos de sobrado ligados por uma escada de pedra e cimento. No segundo piso que é muito baixo, observa-se, ao centro, o urreiro. No terceiro piso localiza-se a sala de moagem, com um casal de mós ao centro, articuladas pelo carreto e pela roda de entrosga ao mastro, colocado lateralmente. Conserva-se, igualmente, o tegão que corresponde a uma caixa de madeira de forma tronco-piramidal invertida onde é colocado o cereal que da quelha desce para o olho da mó superior, impulsionado pela trepidação produzida pelo cadêlo ao embater nos orifícios gravados na face superior da mó. Sob o mastro situa-se o sarilho que faz girar o capelo para orientar o moinho ao vento, com o seu sistema de cabos e roldanas. Nas paredes, por sua vez, destacam-se vários andorinhos constituídos por argolas de ferro fixas ao frechal, destinadas a prender o moinho e, no rosso de madeira, destacam-se argolas semelhantes que servem para fixar os ganchos das roldanas do sarilho. No topo da cobertura situa-se a roda de ponto, ligada ao cata-vento, que do interior permite controlar a orientação dos ventos. Na parede Este observa-se, ainda, um nicho.

História
A primeira referência a moinhos de vento na vila de Odemira é ainda do século XVIII, no entanto, foi sobretudo a partir do século XIX que se foram instalando mais estruturas deste tipo nos cerros em redor da vila chegando a ser quatro no total.
O designado moinho de Odemira, segundo uma inscrição colocada sobre a porta, datará de 1874.
Depois de adquirido pelo município, o moinho foi sendo objeto de ações de restauro nomeadamente em 1989, e em 1997, intervenções estas realizadas por elementos da Câmara Municipal de Odemira mantendo-se, desde então, em funcionamento.
Este moinho corresponde, de facto, a um exemplar em tudo semelhante a outros existentes na região com torre fixa e sistema básico de rotação do tejadilho por meio de sarilho interior, no entanto, pelo facto de se encontrar em uso e visitável, torna este património uma verdadeira raridade dado que a maioria dos moinhos em Portugal estão abandonados ou inativos.

Maria Ramalho/DGPC/2017, com base no IPA n.º 00016767 (SIPA) e com o apoio de Ana Tendeiro Gonçalves, C. M. de Odemira.

Bibliografia

Título

Os moinhos do concelho de Odemira no século XXI, 2009.

Local

-

Data

2009

Autor(es)

Ana Tendeiro GONÇALVES

Título

Cerealicultura e Farinação no Concelho de Odemira - da Baixa Idade Média à Época Contemporânea

Local

Odemira

Data

2009

Autor(es)

QUARESMA, António Martins