Saltar para o conteúdo principal da página

Estação Arqueológica do Sabugal Velho - detalhe

Designação

Designação

Estação Arqueológica do Sabugal Velho

Outras Designações / Pesquisas

Castro do Sabugal Velho
Acampamento romano do Sabugal Velho / Povoado do Sabugal Velho / Estação Arqueológica do Sabugal Velho(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Guarda / Sabugal / Aldeia Velha

Endereço / Local

Cabeço da Senhora dos Prazeres
-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como SIP - Sítio de Interesse Público

Cronologia

Declaração de retificação n.º 749/2013, DR, 2.ª série, n.º 125, de 2-07-2013 (retificou "E" para "É" no artigo único do diploma anterior) (ver Declaração)
Portaria n.º 412/2013, DR, 2.ª série, n.º 120, de 25-06-2013 (com restrições) (ver Portaria)
Procedimento prorrogado até 30-06-2013 pelo Decreto-Lei n.º 265/2012, DR, 1.ª série, n.º 251, de 28-12-2012 (ver Diploma)
Anúncio n.º 13702/2012, DR, 2.ª série, n.º 222, de 16-11-2012 (ver Anúncio)
Parecer favorável de 22-10-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Nova proposta de 16-10-2012 da DRC do Centro para a classificação como SIP
Procedimento prorrogado pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Devolvido em 25-05-2006 para juntar proposta de ZEP
Proposta de 20-06-2006 da DR de Castelo Branco para a classificação como IIP
Despacho de abertura de 21-11-2002 do vice-presidente do IPPAR
Proposta de abertura de 19-11-2002 da DR de Castelo Branco
Nova proposta de 25-10-2002 da CM de Sabugal
Proposta de classificação de 7-11-1986 da CM de Sabugal

ZEP

Despacho de concordância de 30-07-2014 do subdiretor-geral da DGPC
Parecer favorável de 3-07-2014 da SPAA do CNC
Proposta de 7-08-2013 da DRC do Centro para não ser fixada ZEP, nos termos do art.º 55.º do Decreto-Lei n.º 309/2009, de 23-10
Devolvido à DRC do Centro em 5-07-2013 para reanálise
Parecer de 22-10-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura a propor a fixação de uma ZEP idêntica à ZGP
Proposta de 16-10-2012 da DRC do Centro para não ser fixada ZEP

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

De povoamento muito antigo, a região correspondente, na actualidade, à freguesia de Aldeia Velha encerra diversos vestígios arqueológicos que atestam a existência de recursos naturais suficientes para garantir a sobrevivência e fixação de diferentes comunidades humanas ao longo dos tempos, tendo passado a integrar o território português com o 'Tratado de Alcanizes' (1297), assinado no reinado de D. Dinis (1261-1325).
De entre estes testemunhos, destaca-se o da "Estação arqueológica do Sabugal Velho", localizado no cabeço da Serra de Aldeia Velha, nas proximidades da capela de N. Sra. dos Prazeres, numa evidência da reapropriação dos mesmos lugares simbólicos ao longo dos séculos, ao mesmo tempo que da lógica da sua situação geográfica, pois é do seu cume que se desfruta de um forte domínio visual sobre a paisagem circundante, o que, em termos defensivos, reforçava o seu carácter estratégico e, por inerência, a sua escolha em diferentes momentos históricos, em especial pelo facto de se encontrar numa zona particularmente abundante em filões de ferro explorados desde a mais alta antiguidade.
Com efeito, as escavações conduzidas naquele que é commumente mais conhecido por 'Sabugal Velho' terá permitido identificar, a partir dos materiais localizados sobretudo no ponto mais alto do morro, a uma altitude superior a mil metros, a existência de um povoado fortificado de altura - castro - erguido na Idade do Ferro, obre o qual se terá construído um segundo povoado na Idade Média, definidos, no primeiro caso, por uma linha de muralha e, no segundo, por um único muralhado, ambos parcialmente ainda visíveis nos nossos dias e em cujo perímetro interno se encontraram ruínas de estruturas habitacionais de planta rectangular edificadas na matéria prima mais abundante na zona: o xisto.
Não obstante, parecem subsistir algumas dúvidas relativas à cronologia e, acima de tudo, à função deste sítio, insistindo-se na ideia de que o local teria sido entretanto ocupado no período romano. Um facto que, a confirmar-se, não surpreenderia, atendendo, tanto às suas características defensivas, como ao facto de múltiplos castros apresentarem vestígios de ocupação romana, perfazendo, nesse caso, um acampamento romano, uma villa ou, anda, um vicus (aglomerado menos importante, do ponto de vista jurídico-administrativo, do que a civitas) fortificado.
O quotidiano das gentes que habitaram o local encontra-se parcialmente plasmado nos artefactos descobertos durante as campanhas arqueológicas, com realce para os fragmentos de cerâmica comum, mós (a ilustrar uma das suas actividades preponderantes), contas de colar, fivelas e exemplares numismáticos.
[AMartins]

Imagens

Bibliografia

Título

Inventario dos vestigios arqueologicos do concelho do Sabugal

Local

-

Data

-

Autor(es)

REI, José Manuel Lourenço

Título

300 Sítios arqueológicos visitáveis em Portugal, Al-madan

Local

Almada

Data

2001

Autor(es)

RAPOSO, Jorge