Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja de Santa Marinha, matriz de Cortegaça, e Jazigos do "Cemitério Velho" - detalhe

Designação

Designação

Igreja de Santa Marinha, matriz de Cortegaça, e Jazigos do "Cemitério Velho"

Outras Designações / Pesquisas

Igreja Matriz de Cortegaça / Igreja Paroquial de Cortegaça / Igreja de Santa Marinha / Jazigos do Cemitério Velho (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Aveiro / Ovar / Cortegaça

Endereço / Local

Rua do Padre Manuel Pereira
Cortegaça

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como CIP - Conjunto de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 174/2013, DR, 2.ª série, n.º 67, de 5-04-2013 (sem restrições) (ver Portaria)
Edital N.º 12/2004 da CM de Ovar a rectificar o edital anterior
Edital n.º 59/2003 de 21-10-2003 da CM de Ovar
Despacho de homologação de 29-05-2003 do Ministro da Cultura
Parecer de 7-05-2003 do Conselho Consultivo do IPPAR a propor a classificação como IIP
Proposta de 6-02-2002 da DR de Coimbra para a classificação como de IM
Proposta de 26-01-2001 da CM de Ovar para a classificação da Igreja Matriz e Cemitério Antigo
Despacho de concordância de 1-10-2002 do presidente do IPPAR
Parecer de 22-09-2002 do Conselho Consultivo do IPPAR no sentido da não classificação nacional e do envio do processo à autarquia para a ponderação da classificação como de IM
Deliberação de 21-12-2000 da CM de Cortegaça a determinar a classificação do Cemitério Antigo de Cortegaça como de IM
Proposta de 9-05-1997 da DR de Coimbra para a abertura da Instrução do processo de classificação dos jazigos do "Cemitério Velho"
Processo iniciado em 1996 por solicitação da Junta de Freguesia de Cortegaça

ZEP

Despacho de 7-11-2011 do diretor do IGESPAR, I.P. a determinar que a ZEP seja analisada após a publicação da classificação
Proposta de 29-10-2010 da DRC do Centro

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A edificação da actual igreja de Santa Marinha, matriz de Cortegaça, que veio substituir uma outra de época anterior, foi iniciada em 1910 e concluída em 1918 sob projecto de Manuel Soares de Almeida (Cf. Processo de Classificação, IPPAR/DRC). Trata-se de um imponente templo, com fachada principal flanqueada por torres rematadas por coruchéus. O pano central é marcado pela abertura do portal de verga recta, que se liga ao janelão superior, com balaustrada e frontão triangular, terminando num amplo frontão coroado por três esculturas - Santa Marinha, a quem o templo é dedicado, encontra-se ao centro, com S. Miguel à direita e S. Martinho à esquerda. Todo este alçado foi revestido por azulejos azuis e brancos, com motivos decorativos e arquitectónicos que equilibram e enquadram os vãos existentes. As representações figurativas são referentes a S. Pedro e a S. Paulo, a S. João Bosco e a S. Francisco de Assis, ao Coração de Jesus e ao Coração de Maria.
No interior, o retábulo-mor exibe um painel com Cristo Crucificado e as imagens de Santa Marinha e São Miguel. O tecto da capela-mor apresenta pinturas dos quatro Evangelistas.
A igreja foi depois objecto de outras campanhas, entre as quais se destaca a realização de dois altares e, em 1956, a construção de um novo baptistério onde se inclui um painel de azulejo com a figuração do Baptismo de Cristo. Sensivelmente na mesma época foram aplicados dois painéis de azulejo na capela-mor.
O revestimento azulejar do exterior da igreja matriz de Cortegaça inscreve este templo na tendência que, desde o século XIX, se manifestou de forma particular na região de Ovar, onde boa parte das fachadas dos imóveis foram revestidas por azulejos.
A presente classificação inclui ainda os jazigos do Cemitério Velho, situado ao lado da igreja. Executados entre o final do século XIX e o início da centúria seguinte, caracterizam-se pela utilização de um vocabulário revivalista, destacando-se pelo trabalho escultórico das suas cantarias, pelos gradeamentos em ferro forjado e, também, pelo recurso ao revestimento azulejar, configurando um conjunto de grande homogeneidade.
(RC)

Imagens