Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja Paroquial de Vila Facaia - detalhe

Designação

Designação

Igreja Paroquial de Vila Facaia

Outras Designações / Pesquisas

Igreja Paroquial de Vila Facaia / Igreja de Santa Catarina (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Leiria / Pedrógão Grande / Vila Facaia

Endereço / Local

-

Proteção

Situação Actual

Procedimento encerrado / arquivado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Despacho de encerramento de 25-11-2008 do Presidente do IPPAR
Parecer de 12-11-2008 do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P. propôs o encerramento do processo, por não ter valor nacional
Proposta de 5-06-2007 da DRCoimbra para a classificação como IIP
Despacho de abertura de 31-08-2006 da Vice-Presidente do IPPAR
Proposta de 25-08-2006 da DRCoimbra

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

Muito embora alguns autores (PINHO LEAL, p. 721) indiquem o último quartel do século XIX como o mais provável para a sua construção, a data de 1765, inscrita no portal de acesso ao coro e à torre sineira (protegido por uma alpendre, na fachada lateral) corrobora a convicção de que o templo teve origem ainda no decorrer da centúria de Setecentos.
A sua fachada principal, com pilastras de aparelho rusticado nos cunhais e remate em pináculos, termina em empena semicircular, interrompida por uma secção quadrada sobre a qual assenta a cruz e dois pináculos. Ao centro, abre-se o portal de verga recta, com entablamento e frontão triangular, interrompido pela janela do coro. A torre, à direita, situa-se num plano ligeiramente mais recuado, e é rematada por coruchéu.
No interior, a nave única com coro alto, é coberta por abóbada de caixotões com representações de cenas da vida de Santa Catarina, a quem o templo é dedicado, executadas em 1902 (Cf. Processo de Classificação, IPPAR/DRC). O púlpito, com balaustrada de madeira ergue-se do lado do Evangelho, antecedendo a capela lateral, aberta por arco de volta perfeita. Os retábulos colaterais encontra-se implantados na diagonal, o que cria um efeito de maior dinamismo e na capela-mor, o retábulo é também de talha dourada e polícroma, comungando da mesma linguagem neoclássica. Esta encontra-se, ainda, na abóbada de volta perfeita pintada, na zona lateral, com motivos de vasos e nichos onde são representados os Evangelistas ligados por grinaldas, que enquadram as três cartelas centrais, a do meio com uma custódia e a âncora e cruz.
Se de uma forma geral o templo se caracteriza pela depuração e por uma decoração relativamente pouco erudita a verdade é que o interior denuncia o desejo de actualização estética face às correntes artísticas contemporâneas (Cf. Processo de Classificação, IPPAR/DRC).
(RC)

Bibliografia

Título

Portugal antigo e moderno: diccionario geographico, estatistico, chorographico, heraldico, archeologico, historico, biographico e etymologico de todas as cidades, villas e freguezias de Portugal e de grande numero de aldeias...

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

PINHO LEAL, Augusto Soares d'Azevedo Barbosa de, FERREIRA, Pedro Augusto

Título

Pedrógão Grande - subsídios para uma monografia

Local

Coimbra

Data

1980

Autor(es)

QUINTEIRA, António José Ferreira

Título

Inventário Artístico de Portugal, vol. V (Distrito de Leiria)

Local

Lisboa

Data

1955

Autor(es)

SEQUEIRA, Gustavo de Matos