Saltar para o conteúdo principal da página

Igreja da Misericórdia do Barreiro - detalhe

Designação

Designação

Igreja da Misericórdia do Barreiro

Outras Designações / Pesquisas

Capela da Santa Casa da Misericórdia do Barreiro / Capela de Santo António(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

-

Inventário Temático

-

Localização

Divisão Administrativa

Setúbal / Barreiro / Barreiro e Lavradio

Endereço / Local

Praça de Santa Cruz
Barreiro

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MIM - Monumento de Interesse Municipal

Cronologia

Em 8-08-2006 foi dado conhecimento do despacho à CM do Barreiro
Despacho de encerramento de 3-08-2006 da vice-presidente do IPPAR
Proposta de 21-07-2006 da DR de Lisboa para encerramento do processo de classificação de âmbito nacional
Boletim Municipal, n.º 6, de Junho-Julho de 2003
Deliberação de 26-03-2003 da CM do Barreiro a aprovar a classificação como MIM

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

Património Mundial

-

Descrição Geral

Nota Histórico-Artistica

A Misericórdia do Barreiro, fundada em 1569, teve origem, tal como muitas das suas congéneres, numa albergaria instituída em 1492, aproveitando, ao que tudo indica, as estruturas pré-existentes, que depois foram remodeladas. Na verdade, e conforme refere uma inscrição, Isabel Pires de Azambuja mandou refazer o portal principal do templo, responsabilizando-se, naturalmente, por outras obras consideradas necessárias nesta centúria de Seiscentos. A fachada, de remate em frontão ondulado, é marcada pela abertura do portal, de verga recta, com a inscrição referida terminando em motivos vegetalistas com querubins a envolver uma vieira. No mesmo eixo, abre-se o janelão do coro e o óculo. À esquerda, ergue-se a sineira de remate recto.
Já no século XVIII, distinguem-se duas intervenções. Uma primeira responsável pelo púlpito e outra pelo revestimento azulejar, que se divide em dois tempos, correspondentes ao revestimento da nave e da capela-mor. Neste último espaço, os painéis, legendados, representam cenas da vida de São João Baptista, enquanto na nave, mais tardios, exibem anjos e festões, de cariz seriado. Este género de iconografia é pouco habitual nas igrejas das Misericórdias, desconhecendo-se qual a razão da sua aplicação no Barreiro, embora se possa intuir uma ligação à albergaria anterior ou a um culto enraizado.
O estado de ruína em que a igreja se encontrava entre o final do século XIX e a primeira metade do século XX, período durante o qual se demoliu o adro fronteiro à fachada (onde se encontraram moedas do reinado de D. João II) tendo desaparecido ainda o cadeiral, obrigou a uma intervenção mais profunda na década de 1950. Remonta a este período a substituição do retábulo-mor por um painel de azulejo representando a Assunção da Virgem, executado pela Fábrica Santana, bem como a desarticulação do coro alto.
(RC)

Imagens

Bibliografia

Título

Inventário do património imóvel do concelho do Barreiro

Local

Barreiro

Data

1999

Autor(es)

CARMONA, Rosalina, BORRACHA, Alexandra