Saltar para o conteúdo principal da página

Traceologia

A Traceologia consiste no estudo das técnicas de fabrico, função e modo de funcionamento dos artefactos arqueológicos através da análise macro e microscópica das modificações das superfícies originais dos artefactos geradas durante os processos de produção e de utilização dos mesmos. Estas modificações exprimem-se sob a forma de fracturas, abrasão, polimento, resíduos, micro-estrias, entre outros.

Estes vestígios são num primeiro momento documentados através da arqueologia experimental para poderem ser usados como coleção de referencia e de comparação com os materiais arqueológicos. A cada processo de fabrico e gesto de utilização efectuado com artefactos fabricados em materiais tão diversos como a pedra (polida e lascada) osso, cerâmica, metal, correspondem conjuntos de modificações/vestígios macro e microscópicos específicos. Os artefactos são para determinados períodos da História os principais arquivos de comportamento das sociedades do passado. Através do estudo Traceologico de como estes foram fabricados e usados, é possível reconstituir o espectro e a natureza das atividades efectuadas - para as quais por vezes não há registo material arqueológico preservado - e inferir sobre questões mais abrangentes como a natureza das ocupações de um contexto arqueológico, estratégias de utilização dos recursos geo-biologicos e modos de ocupação do território.