Saltar para o conteúdo principal da página

Museu Militar do Porto

O edifício principal do Museu Militar do Porto, que hoje alberga parte das coleções do Museu, foi inicialmente concebido para habitação familiar, nos finais do séc. XIX. No entanto, as funções que lhe foram atribuídas pelo Estado Novo, como Delegação da PIDE-DGS, marcaram profundamente as vivências da população do Porto, durante grande parte do séc. XX. Na Sala das miniaturas, poderá, através dos “soldadinhos” e outras miniaturas militares, ficar a conhecer tudo sobre as mudanças em tempo de guerra, desde a antiguidade até aos nossos dias. Este Museu conta ainda como a cidade do Porto foi palco de grandes acontecimentos político-militares durante mais de 100 anos. O Porto e as suas gentes muito têm para contar sobre a História de Portugal desde as Invasões Francesas até 1927. O Parque mostra algumas Peças de Artilharia usadas pelo Exército Português, desde o séc. XVI até ao 3º quartel do séc. XX. No Pavilhão de Armas faz-se uma viagem no tempo, contactando com armamento, equipamentos e outros artefactos militares que darão uma visão dos meios ao dispor dos Exércitos Portugueses, desde o séc. XVI à Guerra Colonial (1961-1974). Também no Pavilhão estão patentes as exposições temáticas de carácter temporário que aí ocorrem com regularidade.

Nos finais do século XIX, um pintor portuense de nome Joaquim Vitorino Ribeiro, resolveu colecionar peças e documentos, designadamente de natureza militar, que constituíssem testemunho da conturbada primeira metade daquele século, dominada que foi, inicialmente, pelas invasões francesas, e, depois, pelas lutas liberais que confrontaram D. Miguel e D. Pedro.

As peças por ele reunidas viriam a constituir o essencial da exposição que, em 1920, assinalou no Porto o centenário da «Revolução Liberal de 1820», inaugurada no Teatro de São João, em 24 de Agosto. O interesse despertado por esta exposição motivou a Câmara Municipal do Porto a constituir na cidade, com base na coleção de Vitorino Ribeiro, um museu histórico-militar.

O entusiasmo inicial foi-se desvanecendo, e em 1932, os filhos do pintor acabaram por oferecer o espólio do seu pai ao Museu Militar de Lisboa.

Gorava-se assim a primeira tentativa de criar um museu militar na «Cidade Invicta». 

Seria a 28 de Março de 1958, com a saída de um despacho do Ministro do Exército que se criava, no Porto, uma Delegação do Museu Militar de Lisboa. Nesta data, 1958, o Quartel-General foi transferido para a Praça da República e a reestruturação do Exército ocorrida no começo da década de 60, obrigou a Delegação do museu a libertar várias das suas salas, para nelas se instalarem órgãos de administração e de recrutamento militar. Em 1965, pouco mais era que um espaço onde os espécimes se iam amontoando à espera de futuro destino. Falhava a segunda tentativa de criação de um museu militar no Porto.

Só em 1970, surgiu um renovado interesse, promovido pela Associação Cultural dos Amigos do Porto e outras entidades civis e militares, mantendo-se a ideia de montar um museu no Castelo de S. João da Foz.

Em 1971, foi nomeado como delegado do Museu Militar, o Major Médico Francisco Fernandes Figueira, que desencadeou um conjunto de ações determinantes para a efetiva criação de um museu militar no Porto, tendo sido no começo de 1973, inaugurada uma exposição permanente que, no entanto, apenas era visitada por militares e algumas entidades oficiais.

Com a revolução de 25 de Abril de 1974, extinguinda a polícia política, e perante a incapacidade financeira de realizar as obras no Castelo de S. João da Foz escolheu-se, então, como alternativa, o referido imóvel da extinta PIDE-DGS que, depois das diligências necessárias, foi entregue ao Exército.

Assim, a 21 de Março de 1980, o Museu foi inaugurado pelo então Presidente da República, General Ramalho Eanes, tendo como seu primeiro diretor o Major Médico Francisco Figueira que tanto se tinha empenhado na sua concretização.

Conteúdos da responsabilidade do museu e editados pela DGPC

Contactos e
Localização

Tutela:
Ministério da Defesa Nacional / Estado-Maior do Exército
Director(a):
Coronel Carlos de Oliveira Andrade
Endereço:
R. do Heroísmo, 329 - 4300-259 PORTO
GPS:
Lat: 41,1457184 Long: -8,595265599999948
Telf(s):
+351 22 536 5514
Fax(s):
+ 351 22 536 5514
E-mail:
musmilporto@mail.exercito.pt
Site:
http://www.exercito.pt/SITES/MUSMILPORTO/Paginas/default.aspx

Comboios: Estação de Campanhã (Urbanos do Porto e Longo Curso)
Autocarros urbanos: STCP 207 e 400
Eléctricos: N/D
Metro: Estação do Heroísmo e Campo 24 de Agosto
Barco: N/D

Estacionamento: Parque Centro Comercial STOP (Pago)

Acessibilidade: O Museu Militar do Porto não dispõe de acessos a pessoas com mobilidade reduzida.

De terça a sexta-feira das 10h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h00;

Sábado das 14h00 às 17h00;

Domingo das 10h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h00;

 

Encerrado:

Segunda-feira / 25 de Dezembro / 01 de Janeiro / Domingo de Páscoa / 01 de Maio;

Ingresso

Jovem: 7 aos 17 anos - 1,00€

Adulto: + de 65 anos - 1,00€

Adulto: Entre os 18 e os 64 anos - 3,00€

Bilhete familiar

1 adulto + 1 jovem: 3,50€

1 adulto + 2 jovens: 4,00€

1 adulto + 3 jovens: 4,50€

1 adulto + 4 ou mais jovens: 5,00€;

2 adultos + 1 jovem: 4,50€;

2 adultos + 2 jovens: 5,00€;

2 adultos + 3 jovens: 5,50€;

2 adultos + 4 ou mais jovens: 6,00€;

Visitas Guiadas: (Obrigatório marcação prévia - As visitas guiadas realizam-se de terça-feira a sexta-feira)

 Grupos Escolares 

(Estabelecimentos de ensino):

Grupo de 25 + até 2 professores: 20,00 €;

Grupo de 20 + até 2 professores: 15,00 €;

Grupo de 15 + 1 professor: 10,00 €;

Grupo de 10 + 1 professor:   5,00 €;

Grupos Não Escolares:

Grupo de 25: 50,00€;

Grupo de 20: 40,00€;

Grupo de 15: 30,00€;

Grupo de 10: 20,00€;

 

Isenções:

Entradas Gratuitas: Domingos das 10:00 às 12:30;
Crianças até 6 anos: Grátis;
Militares na situação do ativo, reserva ou reforma e respetivo agregado familiar;
Funcionários civis do Exército e respetivo agregado familiar;
Membros da Liga dos Amigos e Mecenas do Museu Militar do Porto;

Descontos:

N/D

Exposições permanentes e temporárias;

Acolhimento;

Loja de Vendas;

Serviços Educativos;

Biblioteca.

Atividades

Público infanto-juvenil:

Viagens;

Agora eu era um tropa;

Porto Rebelde;

À procura de Godiva;

Prova da Ração de Combate;

Trincheira em construção;

 

Público Adulto e Sénior:

Rotas dos Museus;

Ciclos de Conferências temáticas;

. Boletim nº1 (1987); . Boletim nº2 (1988); . Boletim nº3 (1997); . Boletim nº4/5 (1999); . Boletim nº6/7 (2001); . Boletim nº8 (2008); . Boletim nº9 (2011); . 1808-1927 /120 Anos de História Militar do Porto; . A Artilharia em Portugal; . Ferro e Muralha – Descobrimentos Portugueses e Expansão; . Sob o Olhar de A-MA, Macau Passado e Presente; . Coronel Hélder Ribeiro – Correspondência Recebida; . Hélder Ribeiro – Correspondências; . Testemunhos de Guerra Angola, Guiné e Moçambique (1961-1974); . A Guerra em África (1961-1974); . O Homem o Uniforme e a Arma (1851-1910); . Os Soldadinhos do Porto;

 

Última actualização: 06 Agosto 2014

Rede Portuguesa de Museus

A Rede Portuguesa de Museus (RPM) é um sistema organizado de museus, baseado na adesão voluntária, configurado de forma progressiva e que visa a descentralização, a mediação, a qualificação e a cooperação entre museus.

A Rede Portuguesa de Museus é composta pelos 146 museus que atualmente a integram. A riqueza do seu universo reside na diversidade de tutelas, de coleções, de espaços e instalações, de atividades educativas e culturais, de modelos de relação com as comunidades e de sistemas de gestão.

+ Monumentos e Museus DGPC