Saltar para o conteúdo principal da página

Museu do Pico

Enquadrado na categoria de Museu Regiona, o Museu do Pico engloba três extensões: o Museu dos Baleeiros, na vila das Lajes, o Museu da Indústria Baleeira, na vila de São Roque do Pico, e o Museu do Vinho, na vila da Madalena. Estas extensões ou núcleos testemunham, por um lado, a baleação, numa perspectiva de representação de todo o complexo baleeiro insular, incluindo a caça à baleia e a indústria baleeira e, por outro, a vitivinicultura, importante actividade económica na Ilha do Pico com traços distintivos muito particulares com expressão na configuração da própria paisagem. Os três pólos/núcleos museológicos assumem-se como instrumentos capazes de propiciar a valorização do património cultural da ilha do Pico e de colaborar na construção da sua identidade, fazendo o levantamento, a preservação, o estudo e a divulgação das suas memórias colectivas, associadas aos históricos ciclos regionais da baleação e da vitivinicultura. Compete também ao Museu do Pico, enquanto “sede” da Comissão Consultiva do Património Baleeiro Regional, fazer a gestão do processo de recuperação e conservação desse património e participar na programação e realização das regatas de botes baleeiros açorianos.

O Museu dos Baleeiros nas Lajes do Pico é o único em Portugal especializado na baleação artesanal, estacional e costeira, e o mais visitado dos Açores.

Está instalado num edifício, com área coberta ronda os 1350m2, que é constituído por um conjunto de três Casas de Botes Baleeiros do séc. XIX, complementado por uma tenda de ferreiro, anexa, integrada num novo corpo edificado – fortemente marcado por uma arquitetura de inspiração baleeira norte-americana – que alberga um arquivo e uma biblioteca especializada na temática baleeira; uma nova área, recentemente ampliada, destinada à receção e loja de vendas, à Galeria de Exposições Temporárias, aos Serviços Educativos, à Direccao e aos Serviços Técnicos e Administrativos.

O Museu dos Baleeiros é constituído por cinco núcleos expositivos de longa duração:

1. núcleo do bote baleeiro açoriano – o conjunto do bote baleeiro e a sua palamenta representam os instrumentos utilizados pelos baleeiros açorianos na pesca da baleia e constituem-se como os elementos explicativos estruturantes do espaço onde se inserem (este sistema de pesca artesanal utilizava o arpão e a lança manuais como processo técnico de captura do cachalote);

2. núcleo da tenda de ferreiro – este espaço é a musealização de sítio de uma antiga oficina de ferreiro, estrutura que, devidamente integrada e contextualizada, apresenta uma importante coleção de ferramentas tradicionais (nesta unidade artesanal eram produzidos as alfaias e os artefactos – arpões, lanças, espeides, ganchos, etc. - ligados ao processo técnico da caça e transformação dos cachalotes);

3. núcleo do baleeiro em terra – este espaço procura materializar a vida dos baleeiros em terra, uma vez que, considerando a sazonalidade da atividade baleeira, estes exerciam a pesca da baleia parcialmente e de forma complementar, como homens da terra e do mar (objetos relacionados com o universo agro-pastoril, os transportes, a tecelagem, a debulha, a moagem, a matança do porco e o culto ao Divino Espírito Santo);

4. núcleo da construção naval - este espaço debruça-se sobre as técnicas e o processo de construção do bote baleeiro açoriano, uma herança da baleação americana, devidamente adaptada e melhorada, pelos primeiros grandes construtores navais da ilha do Pico, ao novo tipo de baleação – sedentária e estacional – praticada pelos açorianos (ferramentas de carpintaria, bote baleeiro à escala real, formas e moldes de construção, planos, projetos e modelos de construção);

5. núcleo da arte baleeira – neste espaço é apresentado um numeroso, diversificado e valioso conjunto de trabalhos em marfim e osso de cachalote e em madeira. O valor dos objetos que integram este núcleo decorre do seu interesse estético-simbólico e do seu valor cultural, patrimonial e artístico.

O Museu da Indústria Baleeira, antiga Fábrica da Baleia Armações Baleeiras Reunidas, Lda., em São Roque do Pico, é o primeiro museu industrial público dos Açores. A Sociedade das Armações Baleeiras Reunidas, Lda., constituída em 1942, articulou dois sistemas produtivos: a pesca da baleia (cachalote) e a produção dos seus derivados, assim como a sua respetiva comercialização. Esta unidade fabril, o maior e o mais importante complexo de transformação e processamento de cachalotes dos Açores, que laborou entre 1949 e 1984, é uma construção industrial, com uma área total de cerca de 1200m2.

O Museu da Indústria Baleeira abrange o seguinte complexo construído:

1. a Fábrica da Baleia;

2. o edifício da tornearia-fundição e da tenda-de-ferreiro;

3. o edifício da antiga Carpintaria, reconvertida em Galeria de Exposições Temporárias;

4. o edifício da garagem da camioneta, adaptado a Reservas e a oficina;

5. o edifício da retrete;

6. a grande praça interior e o memorial público,

7. a grande chaminé, em alvenaria de pedra;

8. os guinchos e o moinho de carne, situados no exterior;

9. o pátio de desmancho e a rampa de varagem de cachalotes;

10. os depósitos de óleo de baleia, subterrâneos.

O edifício principal – a Fábrica -, onde outrora se desenrolava o processo técnico de produção de óleo, farinha, adubos e vitaminas, a partir da transformação do toucinho, da carne, dos ossos e dos fígados de cachalote, é constituído pelos seguintes equipamentos: duas caldeiras; quatro autoclaves de toucinho; dois autoclaves de carne e de ossos; aparelhos elevatórios de toucinhos; dois depósitos de combustível; dois secadores de carne e de ossos; uma prensa; um moinho de fígados; três autoclaves de fígados; um centrifugador de óleo; uma central elétrica, com dois geradores; um frigorifico; uma camioneta; um moinho de farinhas; equipamentos para crivar, pesar e ensacar a farinha; depósitos de óleo de baleia; bombas para trasfegar o óleo e tubagens de pipeline.

O Museu da Indústria Baleeira é, portanto, um museu de arqueologia industrial. De carácter etnográfico são os objetos de corte e desmancho/esquartejamento de cachalotes, documentação referente à atividade da Fábrica, fotografias relacionadas com a atividade baleeira e com o Porto de São Roque do Pico, bem como as miniaturas de cachalotes e de embarcações baleeiras. Esta musealização industrial – “in situ” -, recentemente valorizada por obras de requalificação urbanística e paisagística, assume-se como um instrumento estratégico de desenvolvimento integrado do Concelho, capaz de contribuir decisivamente para a sua promoção cultural e identitária, à escala local e à escala regional e nacional

A criação do Museu do Vinho, na Vila da Madalena, deve ser entendida como uma inevitabilidade histórica. A organização de um museu subordinado à temática da vinha identifica-se com a principal atividade económica exercida pela comunidade que ocupou este território, desde o seu povoamento. Na Madalena reúnem-se, de facto, várias condições favoráveis para se construir um museu de memórias e tecnologias agrícolas associadas ao vinho, quer pela extensão e expressão da vinha que domina a paisagem, quer pela existência de um espaço que, durante séculos, foi dedicado ao fabrico do vinho: as instalações agrícolas que pertenceram ao Convento do Carmo – magnifico imóvel, dos sécs XVII-XVIII, mansão de veraneio dos frades carmelitas sedeados na cidade da Horta –, símbolo arquitetónico da fase opulenta do Ciclo do Vinho Verdelho, na ilha do Pico.

O Museu do Vinho compreende as seguintes estruturas edificadas:

1. a Casa Conventual dos Carmelitas (outrora a funcionar como habitação e adega, respetivamente no 1º andar e no rés-do-chão), agora utilizada como espaço expositivo de longa duração;

2. o armazém, estrutura que acomoda os alambiques (destilaria) e um espaço adaptado a receção, destinado ao acolhimento do público, com um lagar de duas bicas, em pedra;

3. uma construção de raiz que alberga um espetacular lagar de três bicas, em pedra (exemplar único nos Açores), cujo acesso é feito exclusivamente pela mata de dragoeiros;

4. um miradouro, em madeira pintada, com vista sobre os currais da vinha, anexa.

A localização geográfica privilegiada do Museu do Vinho, o poder mágico da paisagem natural – a vinha, os dragoeiros seculares, o Canal do Pico – Faial, o mar e a Montanha -, a dimensão poética e estética do lugar, a presença sóbria de uma arquitetura secular, de pedra vulcânica, em serena harmonia com uma nova linguagem arquitetónica, tão característica da América da emigração açoriana e a força arrebatadora da epopeia humana associada ao histórico ciclo do Verdelho, tem vindo a transformar este local num pólo importante de desenvolvimento turístico-cultural da ilha do Pico.

Com a recuperação, reutilização e valorização cultural destes espaços, pretende-se preservar o património cultural e ambiental da antiga propriedade dos Carmelitas, na Madalena (os edifícios, a vinha e os dragoeiros) e as memórias associadas à cultura da vinha e à produção do vinho na ilha do Pico.

Conteúdos da responsabilidade do museu e editados pela DGPC

Contactos e
Localização

Tutela:
Secretaria Regional da Educação, Ciência e Cultura/ Direcção Regional da Cultura dos Açores
Director(a):
Manuel Francisco Costa Júnior
Endereço:
Rua Baleeiros, 13 - 9930-143 Lajes do Pico
GPS:
Lat: 38,396866 Long: -28,252993000000004
Telf(s):
+351 292679340
Fax(s):
+351 292672276
E-mail:
museu.pico.info@azores.gov.pt
Site:
http://www.azores.gov.pt/Portal/pt/entidades/Museu+do+Pico/

Estacionamento: Parque de estacionamento próximo do Museu.

Acessibilidade: Somente o Museu da Indústria Baleeira está um pouco mais preparado para receber visitantes com deficiência

Terça a sexta- feira das 09h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00

Sábados e domingos das 14h00 às 18h00 (Museu dos Baleeiros)

Sábados e domingos das 09h00 às 13h00 (Museu da Indústria Baleeira e Museu do Vinho)

Encerrado ao público: Segunda- feira e feriados (excecionalmente, de 15 de Junho a 15 de Setembro, o Museu dos Baleeiros e o Museu do Vinho estão abertos ao público à 2ª feira)

Terça a sexta-feira das 09h15 às 13h00 e das 14h00 às 18h00.

Sábados e domingos, das 14h00 às 18h00 (Museu dos Baleeiros).

Sábados e domingos das 09h15 às 12h30 (Museu da Indústria Baleeira e Museu do Vinho).

Encerrado ao público à segunda-feira e feriados.

Ingresso

Bilhete Normal – 2 €

Tabela de preços em http://museus.azores.gov.pt/ficheiros/outros/p69_2004_pg1160.pdf Portaria n.º 69/2004 de 12 de Agosto

Isenções:

http://museus.azores.gov.pt/ficheiros/outros/p69_2004_pg1160.pdf Portaria n.º 69/2004 de 12 de Agosto

Descontos:

http://museus.azores.gov.pt/ficheiros/outros/p69_2004_pg1160.pdf Portaria n.º 69/2004 de 12 de Agosto

Auditório do Museu dos Baleeiros - Capacidade: 91 pessoas 

Espaço Multiusos do Museu dos Baleeiros - Capacidade: 50 pessoas

Galeria de exposições temporárias do Museu dos Baleeiros

Galeria Multiusos do Museu da Indústria Baleeira - Capacidade: 80 pessoas

Serviços Educativos

Responsável: Laura Isabel Soares Serpa

 

TM 18junho14 - informação enviada pelo museu em 15nov14

texto mt gde - necessário editar e resumir...

Última actualização: 29 Julho 2014

Rede Portuguesa de Museus

A Rede Portuguesa de Museus (RPM) é um sistema organizado de museus, baseado na adesão voluntária, configurado de forma progressiva e que visa a descentralização, a mediação, a qualificação e a cooperação entre museus.

A Rede Portuguesa de Museus é composta pelos 146 museus que atualmente a integram. A riqueza do seu universo reside na diversidade de tutelas, de coleções, de espaços e instalações, de atividades educativas e culturais, de modelos de relação com as comunidades e de sistemas de gestão.

+ Monumentos e Museus DGPC