Saltar para o conteúdo principal da página

Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo

A 30 de julho de 1914, o Decreto-lei n.º226 autoriza a criação do Museu de Évora para, no ano seguinte, a 1 de março, o Decreto-lei nº1355 a oficializar, com o nome de Museu Regional de Évora. Abriu ao público no ano de 1921, no edifício do Palácio Amaral, do qual transitou para o atual edifício, ocupado na sua totalidade no ano de 1929. As primeiras quatro salas são inauguradas dois anos depois e, em 1936, nele é incorporado o Museu Arqueológico, que se encontrava anteriormente no rés-do-chão da Biblioteca Pública de Évora. Tem como anexo, desde o ano de 1917, a Igreja de Nossa Senhora das Mercês, edifício do século XVII que pertenceu ao antigo Convento dos Religiosos Agostinhos, correspondendo à secção de Artes Decorativas. A importância e a diversidade da Coleção do Museu e o seu percurso histórico, cuja origem remonta a Frei Manuel do Cenáculo e à fundação de um pequeno museu anexo à Biblioteca Publica de Évora em 1805, transformam o MNFMC numa instituição incontornável para se conhecer e compreender a história e as manifestações artísticas e culturais de Évora, da região e do todo nacional.

As coleções apresentam importantes núcleos de Arte e Arqueologia, reunindo igualmente uma Coleção de História Natural (Ciências da Terra e Ciências da Vida) a ainda objetos científicos (Ciência e Técnica). Do vasto espólio destaca-se a coleção de pintura, que abrange o período temporal do século XV ao XX, destacando-se a predominância de autores portugueses e de pinturas pertencentes às Igrejas e Conventos extintos da cidade. Neste âmbito, merecem destaque os retábulos flamengos do Altar-mor da Sé de Évora e da Capela do Esporão, o Tríptico do Conventinho de Valverde, de Gregório Lopes, bem como os Frei Carlos do Convento do Espinheiro e Francisco Henriques, pintor de São Francisco de Évora. Na coleção de pintura estrangeira, pertencente em grande parte a Frei Manuel do Cenáculo, destacam-se obras da escola Holandesa e Italiana. Na coleção de escultura destacam-se os elementos de arquitetura provenientes de monumentos da cidade e ainda importantes exemplares de tumulária dos séculos XIV ao XVIII. A coleção de mobiliário permite traçar um percurso tipológico do mobiliário cível entre os séc. XVI a XIX. A extinção das Ordens Religiosas e a consequente integração dos seus espólios contribuíram para a criação das coleções de Ourivesaria, sobretudo composta por alfaias litúrgicas, joalharia e têxteis, essencialmente paramentaria litúrgica. A coleção de numismática e naturália provem essencialmente da coleção do arcebispo Frei Manuel do Cenáculo. A vasta e representativa coleção de arqueologia é composta por diversas coleções, de que se destaca a de Frei Manuel do Cenáculo. Note-se que o arcebispo foi um dos primeiros a desenvolver trabalhos arqueológicos, dos quais dava conta na sua correspondência. Refira-se ainda a coleção Leonor Pina com o fantástico espólio da Anta Grande do Zambujeiro, juntamente com a chamada coleção do Hospital, com achados referentes a outras antas do Concelho de Évora, Herdade das Casas, Castelo da Lousa, Castelo do Geraldo, peças encontradas em trabalhos de escavações anteriores à obra no edifício do museu, nomeadamente islâmicas e paleocristãs, peças que colmataram algumas falhas da coleção.

Contactos e
Localização

Tutela:
Direção-Geral do Património Cultural
Director(a):
António Miguel Alegria
Endereço:
Largo Conde de Vila Flor - 7000-804 Évora
GPS:
Lat: 38,572135 Long: -7,907201
Telf(s):
+351 266 730 480
E-mail:
geral@mnfmc.dgpc.pt

Autocarros urbanos: Autocarros para o centro da cidade

Estacionamento: Pequeno estacionamento público, pago, nas proximidades.

Acessibilidade: Autocarros para o centro da cidade.

Inverno: Terça-feira a domingo das 09h30 às 17h30.

Verão: Terça-feira a gomingo das 10h00 às 18h00.

Encerrado à segunda-feira domingo de Páscoa, feriados de Ano Novo, 1º de maio e 25 de dezembro.

Ingresso

Bilhete normal - 3,00 €

Isenções:

1º domingo de cada mês para visitas individuais ou de grupos até 12 pessoas inclusive:
Crianças até aos 12 anos inclusive *;
Membros da APOM/APOMOS/ICOM*;
Professores e alunos de qualquer grau de ensino incluindo Universidades Seniores ou de 3ª Idade quando comprovadamente em visita de estudo e mediante marcação prévia comprovada pela direcção do Museu *;
Entrada livre para investigadores/conservadores/restauradores profissionais de museologia e/ou património em exercício de funções *;
Jornalistas no desempenho de suas funções mediante comunicação prévia*;
Visitantes em situação de desemprego residentes na União Europeia *;
Grupos credenciados de Instituições de Solidariedade Social ou de Áreas de Acção Social de Autarquias ou de outras Instituições de Interesse Público mediante autorização prévia *;
Visitante com mobilidade reduzida e 1 acompanhante.
* Requer comprovativo documental

Descontos:

Visitantes com idade igual ou superior a 65 anos -50%
Cartão Jovem -50%
Cartão de estudante -50%
Visitantes portadores de deficiência -50%
Protocolos com identidades terceiras -50%
Família numerosa (2 adultos +filhos)
Bilhete de família ( a partir de 4 elementos com descendência e/ou ascendência em linha recta, ou equivalente, comprovado legalmente ) -50%

Acolhimento

Loja

Centro de Documentação / Biblioteca

Responsável: Vítor de Sousa  - Tel. (351) 266 730 489 

Serviço Educativo

Responsável: Helena Varela e Teresa Martinho 

Tel. (351) 266 702 604 • (351) 266 730 480 • (351) 266 730 481

Atividades: Visitas guiadas e temáticas, ateliers pedagógicos e oficinas. Público escolar e visitantes com marcações. Atividades dirigidas ao público infantil e jovem.

• Inventário do Museu de Évora. Colecção de Ourivesaria, Lisboa, IPM/Comissão de Inventário do Património Móvel, 1993 • Cadernos pedagógicos • Bacalhau, Daniela (textos e desenhos). Daniela aprende a pintar. 2002 • Coutinho, Marta (texto) e Ribeiro, Manuel (fotografia). Asas para te quero. Caderno pedagógico de acompanhamento para a exposição do pintor António Charrua. 2001 • Coutinho, Marta (texto) e Rego, Marta (desenhos). Já fui ao Museu. 2000 • Catálogos de exposições • Charrua. Catálogo da Exposição dedicada ao Pintor António Charrua. Museu de Évora e Câmara Municipal de Évora, 2001. • A natureza morta nas colecções alentejanas, 1999 • Flores. Esculturas de João Cutileiro. Homenagem a Mapplethorpe, 1999 • Ideia em movimento. Estudos do Museu de Évora de Raúl Hestnes Ferreira, 1998.

Última actualização: 25 Março 2020

Rede Portuguesa de Museus

A Rede Portuguesa de Museus (RPM) é um sistema organizado de museus, baseado na adesão voluntária, configurado de forma progressiva e que visa a descentralização, a mediação, a qualificação e a cooperação entre museus.

A Rede Portuguesa de Museus é composta pelos 156 museus que atualmente a integram. A riqueza do seu universo reside na diversidade de tutelas, de coleções, de espaços e instalações, de atividades educativas e culturais, de modelos de relação com as comunidades e de sistemas de gestão.

+ Monumentos e Museus DGPC