Saltar para o conteúdo principal da página

Museu da Villa Romana do Rabaçal

Aberto ao público desde 5 de Maio de 2001 em edifício construído de raiz para o efeito, o Museu da Villa Romana do Rabaçal situa-se no terreno da antiga Casa Passal, junto ao antigo hospital que hoje é pousada da juventude, no Rabaçal - Penela. Os trabalhos arqueológicos na Villa Romana do Rabaçal tiveram início em 1984 e continuam até ao presente.

A Villa romana do Rabaçal é um museu polinucleado, distribuído por três polos principais: 

1 – Espaço-museu / núcleo-sede, dotado de receção, sala de leitura, estudo e documentação, sala de reserva e tratamento de materiais, sala de exposição dos achados, bem como de um espaço polivalente, servindo de auditório e sala de exposições temporárias, situado na Rua da Igreja, no Rabaçal, sede de freguesia do mesmo nome, do concelho de Penela 

2 – Estação arqueológica da Villa tardo-romana (dotada de edifício de apoio com receção, salas de apoio à visita e aos trabalhos arqueológicos, reserva e sanitários), junto à aldeia da Ordem, datada do século IV d.C., local de origem e de compreensão de todos os achados, onde foram identificados a pars urbana, residência senhorial ou palácio romano, o balneário, a pars rustica ou casa da lavoura (dotada de pátio agrícola, alpendres, eira, oficinas e habitação dos servos), as nascentes e os sistemas elevatórios de água 

3 – Vista panorâmica de Chanca, cujo Miradouro foi construído em 2002, sendo dotado de espaço de descanso e painel explicativo de vários pontos de interesse na Paisagem.

Quanto à presença de vestígios de época romana no local dos Moroiços, Ordem, Rabaçal, é conhecida desde, pelo menos, o princípio do século XX (ROCHA, 1905, nº 4605). Também se lhe referem Bento Vieira e Bairrão Oleiro (1956) e, ainda, Jorge de Alarcão (1974, p. 197). O local foi visitado em 1979 e os trabalhos sistemáticos de escavação arqueológica tiveram início em 1984, com o apoio de uma equipa de voluntários, sendo que as campanhas de escavação continuam no presente.

De então para cá, sucederam-se muitos anos de trabalho, para o que houve o apoio logístico da Câmara Municipal de Penela, de outras instituições e da população local, acrescido do muito empenho científico e de milhares de horas de labor voluntário. Este envolvimento deu lugar a um discurso museológico mobilizador apoiado em três pilares: população, autarquia e investigadores, assumindo a forma de desafio denominado por “triângulo de sobrevivência do projeto”, o qual, segundo o sociólogo Dan Bernfeld, assume três vertentes: a formação e o emprego local, a habitação e a qualidade de vida, a identidade e a abertura cultural.

Foi então, em 1986, iniciado o processo de aquisição dos terrenos pelo Município de Penela, terrenos esses inicialmente disponibilizados pelos pequenos proprietários. Os materiais recolhidos tiveram de ser guardados por elementos da população até ao momento em que foi cedido o Salão Nobre da Junta de Freguesia do Rabaçal, no qual foi instalada a primeira exposição. Esta Reserva Visitável dos materiais até então recolhidos nos trabalhos da escavação arqueológica foi aberta à população e aos públicos, em 1993. Foi, entretanto, criada a Associação de Amigos da Villa Romana do Rabaçal, que preparou o catálogo provisório e a definição dos espaços do futuro Espaço-museu.

Decorrente do exposto, por deliberação da Câmara Municipal de Penela, de 17 de Agosto de 1998, foi votada favoravelmente a construção do Espaço-museu da Villa romana do Rabaçal, que ficou concluída em Maio de 2001 e, desde logo, aberta à população e aos públicos.

Núcleos

Estação Arqueológica

Miradouro de Chanca

Conteúdos da responsabilidade do museu e editados pela DGPC

Contactos e
Localização

Tutela:
Câmara Municipal de Penela
Director(a):
Miguel Pessoa
Endereço:
Rua da Igreja - 3230-544 Rabaçal - Penela
GPS:
Lat: 40,03664250000001 Long: -8,455119599999989
Telf(s):
+351 239 561 856
Fax(s):
+351 239 561 857
E-mail:
museu.rabacal@cm-penela.pt
Site:
http://www.rabacal.net/

Como chegar: Táxi a partir do Rabaçal.
Comboios: Coimbra (estação mais próxima).
Autocarros urbanos: A partir de Coimbra, Condeixa e Penela

Estacionamento: Estacionamento gratuito.

Terça-feira a domingo das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00.

Encerrado ao público à segunda-feira e nos feriados - 1 de janeiro, sexta-feira Santa, domingo de Páscoa, e 25 de dezembro.

Ingresso

Bilhete Normal – 1,50 € (inclui o Museu e respectivos núcleos).

Isenções:

Crianças até aos 12 anos.

Descontos:

Pessoas com +65 anos, professores e estudantes – 1,25€
Portadores de Cartão Jovem – 1,00€

Acolhimento

Livraria

Exposição permanente "Villa Romana do Rabaçal: Era uma vez ..."

Atividades: visitas guiadas (no âmbito da disciplina de História – tema romanização). Destinatários: escolas e população em geral.

Responsável: Sónia Vicente

• "As Moedas, 25 anos de Escavações Arqueológicas (1984-2010) – Villa Romana do Rabaçal", 2012, Ed. C.M. Penela. • "Rabaçal e Sicó no risco de João Pocinho – Uma preciosa etnografia de Urgência (Trabalhos de 1981 a 2012). Catálogo de Exposição Temporária", 2012, Ed. C.M. Penela. • "Actas: Encontro Internacional sobre Ciência e Novas Tecnologias aplicadas à Arqueologia na «Villa» Romana do Rabaçal", 2011, Ed. C.M. Penela e Direcção Regional de Cultura do Centro. • "Generosidade da Terra e Solidariedade dos Homens – Villa romana do Rabaçal 1984-2010. Catálogo de Exposição Temporária, 2011, Ed. C.M. Penela. • "Villa romana do Rabaçal. Um objecto de arte na paisagem serrana. Guia, sugestão de visita aos três núcleos: Espaço-museu, Estação Arqueológica e Miradouro de Chanca", 2011, Ed. C.M. Penela. • "Uma Moeda, um Mundo por Contar... Roteiro da Exposição Temporária", 2010, Ed. C.M. Penela. • "Louças e Quotidianos: do Barreiro à peça. Catálogo de Exposição Temporária", 2010, Ed. C.M. Penela. • "Reflexão sobre o Plano de Salvaguarda da Villa romana do Rabaçal, Penela, Portugal – Sonho, realidade e problemática da instalação das coberturas de proteccção", 2008, Separata do Arquivo Coimbrão. • "Registo gráfico de mosaicos «in situ» na «Villa» Romana do Rabaça", 2002-2008 – Uma experiência de voluntariado e de entreajuda internacional. Catálogo de Exposição, 2009, Ed. C.M. Penela. • "Queijo Rabaçal, sabor e aroma de Sicó: do acincho à mesa. Catálogo de Exposição Temporária," 2007, Ed. C.M. Penela. • "Uma visita à Villa Romana do Rabaçal. Caderno de Fichas Didácticas", 2007, Ed. C.M. Penela. • "Da Terra à Terra: do Templo ao Museu" – Catálogo de Exposição Temporária de Escultura Religiosa Quatrocentista do Rabaçal, 2006, Ed. C.M. Penela. • "Arte Sempre Nova nos Mosaicos das Estações do Ano em Portugal", 2005, Ed. C.M. Penela e Terras de Sicó. • "Villa romana do rabaçal. Era uma vez…", Catálogo da Exposição Permanente do Espaço-museu do Rabaçal, 2004, Ed. C.M. Penela, Terras de Sicó, Rede Portuguesa de Museus. • Roteiro – Rabaçal, Aldeia Cultural, 2001, Ed. C.M. Penela. • "O programa expositivo do espaço-museu da Villa romana do rabaçal", 1999, Separata de O Arqueólogo Português. • "O museu de sítio arqueológico como lugar de sociabilidades e instrumento pedagógico: os investigadores e a formação da população e dos públicos", 1999, Separata de O Arqueólogo Português. • "Villa romana do Rabaçal­ – Um Objecto de arte na Paisagem", 1998, Ed. C.M. Penela.

TM 18junho14 - informação enviada pelo museu em 28fev14

Última actualização: 10 Novembro 2014

Rede Portuguesa de Museus

A Rede Portuguesa de Museus (RPM) é um sistema organizado de museus, baseado na adesão voluntária, configurado de forma progressiva e que visa a descentralização, a mediação, a qualificação e a cooperação entre museus.

A Rede Portuguesa de Museus é composta pelos 146 museus que atualmente a integram. A riqueza do seu universo reside na diversidade de tutelas, de coleções, de espaços e instalações, de atividades educativas e culturais, de modelos de relação com as comunidades e de sistemas de gestão.

+ Monumentos e Museus DGPC