Saltar para o conteúdo principal da página

Museu da Fundação Cupertino de Miranda

O Museu da Fundação Cupertino de Miranda conta no seu acervo, datado maioritariamente do século XX, com uma importante coleção de obras de arte (pintura, desenho, escultura e gravura), composta essencialmente por artistas surrealistas, mais especificamente do Surrealismo português, que é proveniente de doações, aquisições e legados de que se destacam as coleções de Cruzeiro Seixas, Mário Cesariny, Eurico Gonçalves, Júlio dos Reis Pereira e Fernando Lemos.

O Museu da Fundação Cupertino de Miranda foi inaugurado a 8 de dezembro de 1972 com a I Bienal de Artistas Novos e reaberto ao público em 1994 com a exposição “Surrealismo (e não)”, integrando parte das obras oferecidas pelo Eng.º João Carlos Sobral Meireles. Desde então, tem vindo a apresentar sistematicamente exposições temporárias, onde se tem incluído obras da coleção.

 

Centro de Estudos do Surrealismo

Ativo desde 1999, o Centro de Estudos do Surrealismo (CES) é um organismo que depende do Museu e tem por objetivo reforçar um património cada vez mais representativo do surrealismo português enriquecendo continuamente a coleção de obras deste movimento e permitindo delinear de uma forma cada vez mais completa o percurso daqueles que iniciaram esta aventura. O centro vem desenvolvendo um trabalho contínuo de estudo, pesquisa e preservação das obras do museu, num esforço para tornar visíveis as obras mais significativas do acervo, através da programação constante de exposições.

 

Espaço Fernando Lemos

A atividade fotográfica de Fernando Lemos deixa uma marca na história do Surrealismo e da fotografia em particular, merecedora de destaque e em 2001, do Prémio Nacional de Fotografia. O Museu reserva-lhe um espaço próprio, onde estão expostas fotografias do autor que nos revelam as captações de uma objetiva que nos fazem recuar mais de 50 anos e nos transportam para o imaginário estético da fotografia surrealista. Um conjunto de imagens que desenham a vida do autor durante 4 anos e revelam a mestria no uso da máquina fotográfica.

 

Espaço Mário Cesariny

A Fundação Cupertino de Miranda e um dos grandes Mestres do Surrealismo – Mário Cesariny, assumiram ao longo dos últimos anos uma relação de grande proximidade. Mário Cesariny possibilitou a aquisição, quer por compra, doação e legado de uma grande parte da sua biblioteca e do seu acervo artístico e documental. Fruto desta aquisição é possível visitar à entrada do Museu o Espaço Mário Cesariny.

 

Espaço Cruzeiro Seixas

O Espaço Cruzeiro Seixas é composto por 3 salas que reúnem algumas das obras do autor pertencentes à coleção da Fundação. Pretende-se tornar visível o trabalho desenvolvido pelo artista ao longo de décadas dedicadas às artes plásticas que nos permite apontar Cruzeiro Seixas como um dos divulgadores e dinamizadores do surrealismo, com uma entrega profunda ao ato criativo.

Conteúdos editados pela DGPC/DMCC

Contactos e
Localização

Tutela:
Fundação Cupertino de Miranda
Director(a):
António Gonçalves
Endereço:
Praça D. Maria II, 4760-111 Vila Nova de Famalicão
GPS:
Lat: 41,40624024010021 Long: -8,518189793115198
Telf(s):
+351 252 301 650
Fax(s):
+351 252 301 669
E-mail:
geral@fcm.org.pt

Como chegar: O edifício da Fundação Cupertino de Miranda fica em pleno centro da cidade.
Comboios: Linha do Minho (Porto/Braga), saída Estação de Famalicão
Autocarros urbanos: Rede Expressos e outros, Central de Camionagem de Famalicão

Acessibilidade: Acessibilidades para deficientes motores: rampa (no início do ano 2004, criou-se uma rampa de acesso ao interior do edifício) e elevadores (em todos os pisos e ainda uma plataforma de elevação vertical para fruição do auditório).

FundaçãoDe 2.ª a 6.ª feira, das 9h30 às 12h30 e das 14h00 às 18h00Encerra ao público aos fins-de-semana e feriados Museu

De 2.ª a 6.ª feira das 10h00 às 12h30 e das 14h00 às 18h00

Sábados e feriados das 14h00 às 18h00 (durante o período de exposição)

Encerra aos Domingos, feriados (1 de Janeiro; Sexta-feira Santa; 1 de Maio; Corpo de Deus; 15 de Agosto; 1 de Novembro; 8 de Dezembro; 24 de Dezembro e 25 de Dezembro) e fins-de-semana no mês de Agosto.

Biblioteca

De 2.ª a 6.ª feira das 10h00 às 12h30 e das 14h30 às 18h00

Encerra ao público aos fins-de-semana, feriados e mês de Agosto

De 2.ª a 6.ª feira das 9h30 às 12h30 e das 14h00 às 18h00

Encerra ao público aos fins-de-semana e feriados

Ingresso

Gratuito.

Não é permitido fotografar nem registar em vídeo, excepto com autorização do Departamento de Artes ou do Conselho de Administração da Fundação.

Não é permitido tomar refeições na Fundação, nem a entrada de animais.

As visitas de grupos estão sujeitas a marcação prévia.

Acolhimento

Receção

Loja / Livraria

Exposição permanente

Exposição temporária

Auditório

Biblioteca

Galeria de exposições temporárias

Salas de reunião

O serviço educativo da Fundação Cupertino de Miranda tem por objetivo desenvolver programas culturais e educativos, que apresentem e animem o espaço museológico e os demais espaços da Fundação, através de atividades dirigidas a públicos de todas as faixas etárias, conseguidas pela ação de uma cooperação pedagógica com os principais intervenientes, a comunidade escolar e o público geral. Através do contato com as obras de arte pretende-se estimular a conceção de novos olhares e a produção experiências em torno da arte, através da realização de programas de cariz cultural, que estimulem o desenvolvimento de um pensamento crítico e atual inserido nos conteúdos da coleção do Museu.

Actividades:

Visitas ao edifício

Aulas no museu

Visitas à biblioteca

Leitura e ilustração de contos

Sessões de cinema

Comemoração de dias especiais

Oficinas de expressão plástica

Visitas orientadas Programas especiais para escolas

• I Bienal nacional dos artistas novos – 1972 (Esgotado) • Surrealismo (e não) – 1994 • Encontros da Imagem: A colecção – 1996 • Visões partilhadas: Obras de colecções particulares de Famalicão – 1996 • A arte, o artista e o outro – 1997 • II Bienal de Famalicão: Em torno de Camilo – 1997 • Pedro Tudela: Rastos – 1997 • Do banal, do cómico e do trágico: Andy Warhol, William Wegman, Luís Campos – 1998 • Luís Palma: Memória, urbanismo e periferia – 1998 • Pedro Portugal: Fama,lili,cão – 1998 • Garret no C asino – 1999 • António Dacosta: O trabalho das nossas mãos – 1999 • III Bienal de Arte: Vila Real – 1999 • João da Motta: Jardins Mágicos – 1999 • III Bienal de Arte: Guarda – 2000 • Cruzeiro Seixas - 2000 • Cruzeiro Seixas. Edição especial, acompanhada de 1 serigrafia – 2000 • José Afonso Furtado: Imagens do Vale do Ave – 2001 • III Bienal de Arte: Lamego – 2001 • Teixeira de Pascoaes: Obra plástica – 2002 • Risques Pereira: O regresso do gato que partiu à aventura – 2003 • Carlos Eurico da Costa: Obra plástica – 2004 • O Surrealismo abrangente: Colecção particular de Cruzeiro Seixas – 2004 • Delfim Manuel: 25 anos de ligação ao barro – 2004 • Isabel Meyrelles: Museu dinâmico de metamorfoses – 2004 • Gonçalo Duarte: Obra plástica – 2005 • Manuel Patinha: O olhar inteligente (capa dura) – 2005 • Manuel Patinha: O olhar inteligente (capa mole) – 2005 • Eugenio Granell: Cartografia surrealista – 2006 • Eurico Gonçalves: Estou vivo e escrevo sol – 2006 • Raúl Perez: Obra plástica – 2006 • Alfredo Margarido: Obra plástica – 2007 • Jorge Camacho: Obra plástica – 2007 • O Surrealismo na colecção Fundação Cupertino de Miranda – 2007 • Retorno ao selvagem: Desenhos, Sergio Lima – 2007 • 0 Figura – 2007 • Mário Cesariny: the Cupertino de Miranda Foundation collection – 2009 • Mário Cesariny: colecção Fundação Cupertino de Miranda – 2009 • João Rodrigues, António Maria Lisboa, Mário Henrique Leiria, António Paulo Tomaz – 2010 • Por toda a parte – Julio – 2010 • Fernando Lemos: eu sou fotografia – 2011 • Fernando Lemos: eu sou fotografia – ED. Especial com fotografia assinada pelo autor – 2011 • Camilo em datas, factos e comentários – 2012 • Explorador de Horizonte - Carlos Calvet – 2012

Cadernos do Centro de Estudos do Surrealismo• N.º 1 – Cruzeiro Seixas – 2000 • N.º 2 – Alexandre O'Neill – 2002 • N.º 3 – Carlos Eurico da Costa – 2004 • N.º 4 – Manuel Patinha – 2005 • N.º 5 – Raúl Perez – 2006 • N.º 6 – Sergio Lima – 2007 • N.º 7 – Ana Hatherly: Textos automáticos : jogos colectivos – 2008 • N.º 8 – José-Augusto França : rosa de areia : projecto de filme que havia de ser feito por Fernando Lemos em 1951 nas praias da Caparica – 2010 • N.º 9 – Conto do sábado de aleluia: texto colectivo – 2010 • N.º 10 – António Pedro: onze poemas líricos de exaltação e o folhetim – 2011 • N.º 11 – Mário Cesariny. Les hommages excessives – 2012

Monografias • Camilo em datas, factos e comentários / Benjamim Salgado – 1972 (Esgotado) • Oito obras corais polifónicas para 4 v.m. 2 "a capella" / Manuel Faria – 1982 (Esgotado) • Tudo começou no Louro – 1973 • Música litúrgica / Padre Benjamim Salgado – 1993 • Música recreativa / Padre Benjamim Salgado – 1993

Postais • Memórias de Famalicão: colecção de 16 postais antigos a p/b • Memórias de Famalicão: colecção de 13 postais antigos a cores • Tríptico A Vida de António Carneiro • Obras da Fundação Cupertino de Miranda

CD'S • Lufthansa in Concert II – Orquestra do Norte • De Mozart a Verdi – Orquestra do Norte.

Atualizado em 12 de Agosto de 2015 - AS

Última actualização: 19 Junho 2018

Rede Portuguesa de Museus

A Rede Portuguesa de Museus (RPM) é um sistema organizado de museus, baseado na adesão voluntária, configurado de forma progressiva e que visa a descentralização, a mediação, a qualificação e a cooperação entre museus.

A Rede Portuguesa de Museus é composta pelos 146 museus que atualmente a integram. A riqueza do seu universo reside na diversidade de tutelas, de coleções, de espaços e instalações, de atividades educativas e culturais, de modelos de relação com as comunidades e de sistemas de gestão.

+ Monumentos e Museus DGPC