Saltar para o conteúdo principal da página

Mudas.Museu de Arte Contemporânea da Madeira

O Museu de Arte Contemporânea da Madeira possui uma vasta coleção de arte contemporânea portuguesa desde os anos 60 até hoje, tendo como núcleo inicial o espólio do Prémio de Artes Plásticas da Cidade do Funchal, iniciativa realizada nos anos 1966 e 1967. Este princípio de coleção esteve exposto, temporariamente, nas salas da Quinta Magnólia, passando, a partir de 1992, para a Fortaleza de São Tiago. Desde 2004 que está instalado no Centro de Artes-Casa das Mudas. No núcleo inicial de obras, o destaque vai para trabalhos de Joaquim Rodrigo, António Areal, José Escada, Helena Almeida, Artur Rosa, entre outros. Esta instituição vem desenvolvendo uma política de aquisições, encontrando-se representados no seu espólio os mais destacados artistas plásticos portugueses, incluindo alguns nascidos na Ilha da Madeira: Fernando Calhau, António Palolo, Lourdes Castro, João Queiroz, Michael Biberstein, Patrícia Garrido, Martha Teles, Rui Sanches, Pedro Cabrita Reis, Ana Vidigal, Gäetan, Eduardo Batarda, Daniel Blaufuks, Miguel Branco, Calapez, Pedro Casqueiro, Rui Chafes, José Pedro Croft, Ilda David, Jorge Molder, José Loureiro, Álvaro Lapa, Ana Hatherly, Vieira de Silva, João Vilhena, Pedro Gomes, Pedro Proença, e muitos outros. A atividade deste museu centra-se, essencialmente, em exposições temporárias, por vezes de parceria com outras instituições, ou dando visibilidade, através de exposições rotativas, aos artistas representados na sua coleção, incluindo os artistas locais existentes no seu espólio.

Abriu ao público no dia 8 de outubro de 2015 o Mudas.Museu de Arte Contemporânea da Madeira. O Museu de Arte Contemporânea foi criado em 1992 e instalado na Fortaleza de São Tiago no Funchal. Desde 1986 que uma seleção de obras de arte estiveram expostas na Quinta Magnólia no Funchal sobre a designação de Núcleo de Arte Contemporânea. A coleção tem a sua origem nos prémios Cidade do Funchal, organizados em 1966 e 1967, pela então Delegação de Turismo da Madeira.

O Centro das Artes-Casa das Mudas na Calheta foi inaugurado em 2004 e é projecto do premiado arquitecto madeirense Paulo David, tendo ao longo dos seus onze anos de vida realizado numerosos projectos expositivos temporários, assim como desenvolveu uma programação variada no seu auditório.

Foi decidida a passagem da coleção de arte contemporânea da Fortaleza de São Tiago, onde sempre viveu com constrangimentos, para as novas instalações. De cerca de 400 m2 de área de exposição passou a dispor de cerca de 1800 m2. O novo Museu dispõe de reservas, outras áreas técnicas, centro de documentação, auditório, cafetaria e loja.

A coleção, com importantes obras de arte dos anos 60, foi sobretudo engrandecida ao longo dos anos 90 do século XX, sendo hoje um importante conjunto de referência nacional sobre a produção artística portuguesa.

Estão representados artistas como Joaquim Rodrigo, António Areal, Helena Almeida, José Escada, Manuel Baptista, Nuno de Siqueira e Artur Rosa, com obras dos anos 60, seguidos de um conjunto vasto de artistas com obras dos anos 80 e sobretudo 90, como Gäetan, Fernando Calhau, Rui Sanches, Rui Chafes, Pedro Calapez, Pedro Casqueiro, Pedro Portugal, José Pedro Croft, Michael Biberstein, Ilda David, Sofia Areal, Álvaro Lapa, Ana Hatherly, Daniel Blaufuks, Pedro Gomes, Joana Vasconcelos, Fernanda Fragateiro, Manuel Rosa, Ângelo de Sousa, António Palolo, Eduardo Batarda, José Loureiro, Patrícia Garrido, Miguel Branco, Jorge Molder, Graça Pereira Coutinho, Albuquerque Mendes, Pedro Valdez Cardoso, Pedro Cabrita Reis, entre muitos outros.

Foi ainda incluída uma seleção de peças de Lourdes Castro a mais consagrada artista portuguesa de origem madeirense, com obras da coleção do Museu, às quais se juntaram, cedências temporárias da Coleção Berardo, Banif, Fundação PT, Grupo CTT e particulares.

A exposição Inaugural, Experiência da Forma II, é uma versão ampliada da exposição Experiência da Forma I, realizada no Centro das Artes em 2009 e inclui uma seleção de artistas residentes na Madeira e que aqui desenvolvem o seu trabalho, casos de Amândio de Sousa, Teresa Jardim, Alice de Sousa, Martinho Mendes, Pedro Clode, Eduardo de Freitas, Domingas Pita, Humberto Spínola, Ção Pestana, José Manuel Gomes, António Marques da Silva, António Nelos, Duarte Encarnação, Diogo Goes, João Pestana, Barbara Sousa, Carmo Ramos Silva entre outros. Refira-se ainda a presença de obras de António Aragão, Rigo, Teresa Gonçalves Lobo e Martha Telles.

O percurso expositivo foi divido por linhas orientadoras sob os títulos,Abstração, Não Figuração, Figuração, Retrato e Paisagem.

A exposição permanente será de tempos a tempos alterada, com a inclusão em rotatividade de outros nomes que não foi possível incluir. Vão ser organizadas exposições temporárias quer no edifício principal, quer no r/c da antiga casa senhorial, conhecida por Casa das Mudas. O novo Museu tem à sua disposição o MudasBus, que realiza viagens diárias do Funchal, às 10h e regresso da Calheta pelas 13h. A viagem, saindo do centro da cidade, passa pela zona hoteleira da Estrada Monumental a caminho da Calheta e no sentido contrário. O Museu está aberto de terça a domingo das 10h-17h. Encerra à segunda-feira e feriados.

Conteúdos da responsabilidade da Direção Regional da Cultura da Madeira e editados pela DGPC

Contactos e
Localização

Tutela:
Secretaria Regional da Economia, Turismo e Cultura / Direção Regional da Cultura
Endereço:
Estrada Simão Gonçalves da Câmara nº 37 9370-139 Calheta
GPS:
Lat: 32,724304 Long: -17,180657999999994
Telf(s):
+351 291 820 900
Fax(s):
+351 291 820 911
E-mail:
mudas@gov-madeira.pt

Autocarros urbanos: Autocarro regular: consultar www.horariosdofunchal.pt

De terça a domingo, das 10h00 às 17h00. Encerrado às segundas e feriados.

Ingresso

4€-Ingresso normal  

Isenções:

Entrada Grátis crianças; estudantes; professores (devidamente identificados);membros da APOM/ICOM; jornalistas no desempenho das suas funções(devidamente identificados);profissionais do Turismo no desempenho das suas funções(devidamente identificados)

Descontos:

3€-Grupos organizados por agências de viagens ou associações (+ de 6 pessoas); 1€-Portadores do Cartão Jovem e reformados

Centro de Documentação

O Centro de Documentação/Biblioteca, tem por missão o estudo da Arte Portuguesa Contemporânea relacionadas com a História da Arte, História da Região, História Geral ,bem comoreferências biobibliografias dos artistas representados na coleção do Museu. Horário: de Terça a Sexta das 10has 12.30h e das 14h às 17h

O Serviço Educativo promove visitas guiadas a grupos escolares e particulares que o solicitem; atividades de carácter lúdico-pedagógico reforçando a sua ação museu/escola; uma aproximação criativa, à cultura contemporânea.

Desdobrável do Museu• Catálogos de exposições temporárias.

Actualizado em 24 de outubro de 2016

Última actualização: 24 Outubro 2016

Rede Portuguesa de Museus

A Rede Portuguesa de Museus (RPM) é um sistema organizado de museus, baseado na adesão voluntária, configurado de forma progressiva e que visa a descentralização, a mediação, a qualificação e a cooperação entre museus.

A Rede Portuguesa de Museus é composta pelos 146 museus que atualmente a integram. A riqueza do seu universo reside na diversidade de tutelas, de coleções, de espaços e instalações, de atividades educativas e culturais, de modelos de relação com as comunidades e de sistemas de gestão.

+ Monumentos e Museus DGPC