Saltar para o conteúdo principal da página

Ecomuseu de Barroso

A consciência da necessidade de salvaguardar um vasto património, nas suas múltiplas vertentes, levou o município de Montalegre a delinear um projeto, em 2002, capaz de assumir a responsabilidade de implementar uma estratégia de desenvolvimento local: o Ecomuseu de Barroso. A recuperação de património a pare do envolvimento da comunidade local foi dando passos lentos mas consistentes na valorização da Identidade local. O património Imaterial é a grande pérola deste museu, assumindo a recolha de lendas, tradições, saberes antigos e ofícios acabados, o centro de todas a estratégia de investigação e da comunicação cultural.

O Ecomuseu de Barroso afirma-se como fiel representante da Identidade do povo e motor de formação, participação, cooperação, inovação e mobilização. Da necessidade de preservar a memória coletiva, foram criados núcleos em várias freguesias de Barroso. Em Montalegre, instalado na envolvente do castelo de Montalegre, surge o Espaço Padre Fontes, local que concentra as funções de natureza organizativa, com vista à dinamização e à gestão do “museu vivo”. Simultaneamente, serve como porta de entrada na Identidade da região, valorizando aquilo que esta tem de mais autêntico e genuíno. Em Pitões das Júnias, primeiro espaço museológico criado nas aldeias, está a “Corte do Boi”. Neste espaço estão vincadas patentes temáticas como a pastorícia em regime extensivo, a vezeira, a tecelagem, a agricultura de montanha, os modos de produção local, as alfaias agrícolas, o património etnográfico, o lobo ibérico e Parque Nacional Peneda-Gerês (PNPG). Em Salto, instalado numa antiga casa senhorial, que pertenceu ao capitão da aldeia, representante da autoridade e do poder a nível local, encontra-se a “Casa do Capitão”, que representa algumas das atividades tradicionais mais emblemáticas. Com mais de mil peças, doadas pelos habitantes da freguesia, este museu etnográfico permite uma visita ao que seria uma casa típica barrosã. Em Tourém foi construído, na antiga corte do boi, o “Centro Interpretativo da Avifauna da Região”. É nesta localidade que o PNPG faz a anilhagem de aves, assumindo, por isso, uma responsabilidade acrescida na educação ambiental, vertente obrigatória num projeto ecomuseológico. Na Borralha está inserido o “Centro Interpretativo das Minas”, espaço de requalificação do espaço mineiro. A existência destas constitui uma riqueza geológica (litológica), potencialidade aproveitada com o objetivo de atrair turistas à região e assim desenvolver o turismo e a economia local. Em Vilar de Perdizes está localizada a “Casa do Lavrador”, reflexo de uma casa tradicional, habitada por um barrosão que trabalhava de dia e de noite, ao qual o contrabando se apresentou como uma possibilidade de vida melhor, embora de grande esforço e muita astúcia. Na aldeia Ecomuseu, em Paredes do Rio, oferece-se uma visita ao passado, com a rota dos artesãos que, nas suas casas, mostram os seus locais de trabalho e os saberes muitas vezes já esquecidos. Esta localidade do PNPG tem levado a cabo uma estratégia de recuperação do património comunitário, para que todos os edifícios dedicados ao armazenamento e transformação agrícola continuem a funcionar e sejam motivo de atração turística. Em Fafião, freguesia de Cabril, o oitavo núcleo museológico no concelho de Montalegre. Denominado “Vezeira e a Serra”, este centro interpretativo visa promover o território inserido no Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG). É objetivo deste projeto a dinamização do tecido económico, com a criação de um equilíbrio entre a atividade pastoril e turística. Com a criação de rota temáticas, vai ser possível que os turistas tenha contacto com as cabanas dos pastores, as lagoas, os currais, os lagares e os moinhos. Estes elementos são sinais da presença humana nesta reserva da biosfera, área de alto valor ecológico. 

Conteúdos da responsabilidade do museu e editados pela DGPC

Contactos e
Localização

Tutela:
Município de Montalegre
Director(a):
Dr. David Teixeira
Endereço:
Terreiro do Açougue n.º11 - 5470-251 Montalegre
GPS:
Lat: 0 Long: 0
Telf(s):
276 510203
Fax(s):
276 510201
E-mail:
ecomuseu@cm-montalegre.pt
Site:
http://www.ecomuseu.org/

Como chegar: De Chaves seguir a estrada por Vilar de Perdizes, até Montalegre, se estiver em Braga seguir a E.N. 103
Comboios: Não
Autocarros urbanos: Sim
Eléctricos: Não
Metro: Não
Barco: Não

Estacionamento: Sim. Gratuito.

Acessibilidade: Os núcleos do Ecomuseu de Barroso possuem condições e facilidades de acessibilidade a público com dificuldades ou capacidades reduzidas

Todos os dias das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00.

Ingresso

A entrada em todos os núcleos do Ecomuseu de Barroso é gratuita.

. Auditório

. Condições para exposições permanentes e temporárias

. Serviços educativos

. Arquivo

. Loja

. Jardim

. Tem também área de ar livre na envolvente do castelo de Montalegre

Existem serviços educativos no Ecomuseu 

 

Edições do museu: Livros:

Baptista, José (2009) Contos do Barroso, 40 Retalhos da Memória Barros, apresentados por José Dias Baptista, Montalegre: Câmara Municipal de Montalegre, Ecomuseu de Barroso.

Baptista, José Dias (2013) Montalegre, Montalegre: Município de Montalegre, Ecomuseu de Barroso.

Baptista, José Dias (2014) Toponímia de Barroso, Montalegre: Ecomuseu de Barroso.

Folhetos:Ecomuseu de Barroso. Textos de Ecomuseu de Barroso, Município de Montalegre, Município de Montalegre. Fotografias de Ecomuseu de Barroso, Município de Montalegre, Município de Boticas, António Sá, Montalegre: InfoPortugal S.A..

Guia de Montalegre, Montalegre: Ecomuseu de Barroso.

Vídeo In-print:

Ecomuseu de Barroso (2013). Montalegre, YDreams.

Última actualização: 15 Janeiro 2016

Rede Portuguesa de Museus

A Rede Portuguesa de Museus (RPM) é um sistema organizado de museus, baseado na adesão voluntária, configurado de forma progressiva e que visa a descentralização, a mediação, a qualificação e a cooperação entre museus.

A Rede Portuguesa de Museus é composta pelos 146 museus que atualmente a integram. A riqueza do seu universo reside na diversidade de tutelas, de coleções, de espaços e instalações, de atividades educativas e culturais, de modelos de relação com as comunidades e de sistemas de gestão.

+ Monumentos e Museus DGPC