Saltar para o conteúdo principal da página
Património Cultural

Exposições De 12 de novembro de 2021 a 22 de abril de 2022.

Jorge Colaço e a Azulejaria Figurativa do seu Tempo

A exposição apresentada no Museu Nacional do Azulejo entre novembro de 2019 e junho de 2020, ruma agora ao Alentejo,  dividida por dois núcleos – Casa de Burgos, em Évora, e Paço Ducal de Vila Viçosa.

Esta mostra centra-se nas obras de Jorge Colaço pertencentes à coleção do Museu Nacional do Azulejo, colocando-as em contexto com exemplares qualificados da azulejaria figurativa do seu tempo, e dá a conhecer a existência de um importante espólio documental, adquirido à família do artista em 2001, e incontornável para quem pretenda estudar a sua obra.

Exposição patente de 12 de novembro de 2021 a 22 de abril de 2022.

São mais de 40 painéis acompanhados por estudos, documentos e fotografias que dão a conhecer a estética revivalista, em voga em Portugal no final do século XIX/início do século XX.

Nascido no Consulado de Portugal em Tânger, a 26 de fevereiro de 1868, e falecido a 23 de agosto de 1942, no Alto do Lagoal, em Caxias, Jorge Rey Colaço estudou pintura em Madrid e Paris.

Tendo trabalhado como caricaturista e pintor a óleo, viria a destacar-se como pintor de azulejos, sendo, à época, considerado pelo público e outros artistas como a figura mais importante da sua geração no exercício desta arte.

Trabalhou com a Fábrica de Louça de Sacavém e a Fábrica de Cerâmica Lusitânia, deixando-nos um legado superior a 1000 painéis de azulejo, na sua maioria ainda aplicados nos locais para onde foram concebidos, e que importa preservar, estudar e dar a conhecer.

O tempo artístico em que Jorge Colaço desenvolveu a sua obra foi marcado pelo surgimento e desenvolvimento de um modelo de azulejaria figurativa de estética revivalista e temática historicista e naturalista de gosto tardo-romântico.

Para além do trabalho de Jorge Colaço, a difusão e afirmação deste modelo ocorreu também através de um conjunto de autores de diferentes formações e centros cerâmicos que, durante cerca de meio século, produziram um volume muito significativo de obras em azulejo, mostrando-se, na presente exposição, um núcleo que inclui os mais relevantes artistas, tipologias e temáticas.

Pode adquirir o catálogo da exposiçao AQUI

Organização:
MNAz/DGPC
Local:
Casa de Burgos, em Évora, e Paço Ducal de Vila Viçosa