Saltar para o conteúdo principal da página

Exposições Até 26 de março. Programação paralela fevereiro e março

Exposição "Hugo Canoilas. "Debaixo do Vulcão" MNAC/ SONAE Art Cycles - II Edição| Programa paralelo: A arte degenera à medida que se aproxima do teatro. Performance de Paula Garcia e Alexandre Calado

O MNAC - Museu do Chiado terá patente até março, na Ala da Rua do Capelo, a exposição Debaixo do Vulcão de Hugo Canoilas, integrada a 2ª edição do MNAC/SONAE Art Cycles.

Haverá uma programação paralela à exposição.

Programa Paralelo NO MUSEU

Março de 2017

Concerto por João Ferro Martins, em data a anunciar

Lançamento do livro 2 do projeto e do vinil com a banda sonora do filme.

Conferência e open call  internacional sobre Museus e o Contexto Político da Arte – em parceria com uma Universidade de Lisboa - 9 e 10 de março das 9h30 às 18h00.


PARA LÁ DO MUSEU

18 de Fevereiro

"A arte degenera à medida que se aproxima do teatro". Performance de Paula Garcia e Alexandre Calado no Teatro Nacional de S. Carlos em Lisboa

“Art degenerates as it approaches the condition of theatre. Theatre is the common denominator that binds a large and seemingly disparate variety of activities to one another, and that distinguishes those activities from the radically different enterprises of the modernist arts.”
Michael Fried, Art and Objecthood (1967)

Alexandre Pieroni Calado e Paula Garcia realizam uma acção duracional em que dois actores se apresentam como ensaístas torrenciais quando deviam apenas sorrir bem, na passadeira vermelha.
No âmbito do projecto Debaixo do Vulcão (MNAC, Lisboa – Novembro 2016/Março 2017), de Hugo Canoilas, APC e PG prolongam o gesto de expansão do objecto cinematográfico que o artista propõe, reconfigurando o lugar comum do intérprete ao valorizar uma dimensão reflexiva estranha ao desempenho alienado de papéis que apenas confirma o estado das coisas.
Relendo o programa estético de Hugo Canoilas, APC e PG criam um quadro vivo para compêndio de más intenções, dizem, ainda, o que lhes não passou pela ideia – mas que, desta vez, foram eles a escolher – gerando um fluxo de vozes onde poderemos reconhecer palavras de Hélio Oiticica, Joseph Beuys, Yvonne Rainer, Antonin Artaud, entre outros.

A performance realiza-se das 11h00 às 15h00 e das 16h00 às 20h00

De 23  e 27 de fevereiro, às 18h30

CICLO Guy Debord ou o Cinema Criticado por si Próprio na Cinemateca Portuguesa

Caldas da Rainha, ESTGAD, 7 de março, 15h00

Porto, FBAUL, 8 de março, 15h00.

Apresentação do filme da exposição em Viena, organização da Galeria do artista, Andreas Huber


Dia 4 de março às 16h00 no MNAC

Mesa Redonda. "Guy Debord: o cinema, o pensamento e a acção"

Guy Debord: o cinema, o pensamento e a ação

A exposição Under the Volcano, de Hugo Canoilas, no MNAC, é somente o ponto de partida para uma reflexão conjunta do próprio artista com três investigadores do Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa (José Miranda Justo, Bruno Peixe Dias e Vasco Marques), numa mesa-redonda acerca do cinema, do pensamento e da acção de Debord.

O cinema de Debord (apresentado integralmente por esta altura na Cinemateca de Lisboa em colaboração com o MNAC) mantém uma profunda ligação com o pensamento dissidente do autor de A Sociedade do Espectáculo, e ao mesmo tempo com a sua intervenção activa, designadamente por intermédio da Internacional Situacionista. A referida dissidência em relação às correntes dominantes do pensar instituído, bem como a ideia de uma «criação de situações», capaz de dar lugar a múltiplas respostas no plano da ação e da reflexão, tornam Debord um autor particularmente significativo para o debate contemporâneo em torno da crítica do funcionamento societário e dos conceitos que lhe estão associados.

Vasco Marques

Doutorando em filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, com um projecto de tese subordinado ao problema do tempo na filosofia de Vladimir Jankélévitch. É membro do Centro de Filosofia da mesma Universidade desde 2004, e co-editor da revista Philosophica publicada pelo Departamento de Filosofia da mesma Faculdade desde 2012. É, desde 2005, crítico de cinema do semanário Expresso.

Bruno Peixe Dias

Doutorando em filosofia na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Fez o seu mestrado em filosofia na mesma instituição, sobre o pensamento da política em Alain Badiou. Tem investigado e escrito sobre filosofia política contemporânea. Editou, com José Neves, o livro Política dos Muitos: Povo, Classes, Multidão (Tinta-da-China, 2010) e, com José Gomes André e José Manuel dos Santos, Teorias Políticas Contemporâneas (Documenta, 2015). É colaborador do Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa e do Centre for Ethics and Humanism, da Vrije Universiteit Brussel.

José Miranda Justo

Doutorado pela Universidade de Lisboa em 1990, com uma dissertação sobre história da filosofia da linguagem. Professor na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Membro do Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, onde coordena o Projecto Experimentação e Dissidência, que tem Guy Debord como um dos seus autores centrais. Tem feito conferências e publicado regularmente sobre Filosofia da Linguagem, Estética e Filosofia da Arte, Hermenêutica, História da Filosofia e Filosofia da Tradução.

Ciclo de cinema de Guy Debord em parceria com a Cinemateca:

http://www.cinemateca.pt/programacao.aspx?ciclo=775


Março

Lançamento do livro 2 e do vinil da banda sonora do filme em Viena

Para saber mais