Saltar para o conteúdo principal da página

Música 8 de fevereiro, às 16h00

Concerto | Morten Lauridsen

No próximo sábado, dia 8 de fevereiro, às 16h00, o palácio nacional da Ajuda acolhe o Concerto Morten Lauridsen

Lauridsen (sobre poemas de Rilke | Neruda | Agee)
Chopin | Rachmaninov | Morley | Macdowell.

Este concerto traz agora a Lisboa o programa apresentado em Cascais em Outubro 2019, assinalando o IX Aniversário do coro Capela Nova.

Programa com Piano & A Cappella

· Coro Capela Nova
· António Luís Silva, Piano
· Fernando Pinto, Direção

Capela Nova é um grupo vocal de câmara, com uma formação de 18 cantores. Iniciou a sua atividade em outubro de 2010, a partir da ideia de promover um espaço de fruição estética e espiritual em torno da música coral de inspiração religiosa do séc. XX, com algumas incursões também nos reportórios renascentistas e romântico.

––––––––––––––––
PROGRAMA
––––––––––––––––

Frédéric CHOPIN (1810-1849)
· Nocturno op 48 nº 1

Morten LAURIDSEN (n.1943)
Nocturnes
· Sa nuit d’été                      
· Soneto de la noche
· Sure on this shining night
· Epilogue – Voici le soir 

Sergei RACHMANINOV (1873-1943)
· Daisies Op.38 Nº3

Thomas MORLEY (1557-1603)
· Now is the gentle season
· Die now my heart

Edward MACDOWELL (1860-1908)
Woodland Sketches Op.51
· To a Wild Rose                  
· To a Water-lily                   

Morten LAURIDSEN (n.1943)
Les chansons des roses
· En une seule fleur          
· Contre qui, rose
· De ton rêve trop plein
· La rose complète
· Dirait-on

Notas ao Programa

Trazendo agora a Lisboa a selecção de peças que assinalou o IX Aniversário do coro Capela Nova em Outubro 2019, este concerto apresenta um programa que é e não é, ao mesmo tempo, representativo do caminho percorrido ao longo destes anos. Isto porque o coro se tem dedicado quase exclusivamente à música de inspiração religiosa, e neste programa sai dessa esfera temática, mas também porque regressa ao compositor americano Morten Lauridsen, e assim convoca uma certa estética fundacional do agrupamento, bem referenciada à obra Lux Aeterna, que apresentou há uns anos na Sé de Lisboa.


A base deste programa é a poesia, a grande paixão de Lauridsen a seguir à música, e nele emergem dois temas – a noite e as rosas.

Em 'Nocturnes' (2005), Lauridsen concebeu um ciclo que se apresenta como uma unidade, mas que permite a execução separada de cada um dos andamentos, sendo a única exceção o epílogo que lhe acrescentou posteriormente, o qual deve ser cantado apenas quando se executa o ciclo completo.

'Sa nuit d’été' sugere um ambiente de abandono sensual na beleza de uma noite estrelada, logo definido pelas ricas estruturas da abertura do piano. No segundo andamento, o único sem piano, temos uma tradução musical do fabuloso poema de amor de Pablo Neruda, 'Soneto de la noche'. Inspira-se em apaixonadas melodias populares chilenas, e canta um amor eterno que ultrapassa a morte e reafirma a vida. O terceiro quadro evoca a consumação tranquila de uma noite de verão, nas palavras de Agee, com as sonoridades luminosas do piano a envolver as vozes, e um ambiente próximo do teatro musical americano. O fecho é semelhante ao início, num ambiente que evoca a chegada da noite, e Rainer Maria Rilke, que abriu o ciclo, é de novo a fonte para o seu epílogo.

O segundo ciclo do programa, 'Les chansons des roses' (1993), nasce da enorme admiração de Lauridsen pela poesia de Rilke, o qual, para além da poesia escrita no seu alemão nativo, escreveu também um conjunto apreciável de poemas em língua francesa. O primeiro texto que musicou foi o misterioso poema sobre uma rosa, 'Dirait-on', para coro e piano, o qual faz lembrar a melancolia das canções populares imortalizadas por Edith Piaf. O sucesso desta peça encorajou-o a musicar quatro outros poemas de Rilke sobre as rosas, e assim nasceu este ciclo.

Lauridsen concebeu o ciclo desta forma: o material do primeiro número é desenvolvido no terceiro, enquanto que o do segundo número se conclui no quarto. E assim 'Dirait-on', efetivamente composto em primeiro lugar, surge como o consumar voluptuoso da obra, reforçado por ser o único número do ciclo com a participação do piano.

O programa do concerto completa-se com dois madrigais de Morley e três intervenções de piano a solo (Chopin, Rachmaninov e Macdowell), que evocam os temas principais dos ciclos de Lauridsen.

 

Organização:
PNA/DGPC
Local:
Palácio Nacional da Ajuda, Lisboa