Skip Navigation

Museu Nacional de Etnologia

O Museu Nacional de Etnologia é indissociável da história da antropologia portuguesa. Nele se vem a projectar uma dimensão fundamental do trabalho dos pioneiros desta disciplina no país. A partir do Centro de Estudos de Etnologia, que dirige desde 1947, Jorge Dias e aqueles que o irão acompanhar nos anos subsequentes, Margot Dias, Ernesto Veiga de Oliveira, Fernando Galhano e Benjamim Pereira, entre outros, iniciam uma pesquisa extensiva e continuada sobre os elementos da cultura material que, anos mais tarde, viriam a ser igualmente recolhidos para constituir as colecções do museu. O trajecto daquele antropólogo vai conduzi-lo e a Margot Dias ao norte de Moçambique onde, em sucessivos períodos de trabalho de campo, com início em 1957, vão construir uma sólida etnografia sobre o povo Maconde. O resultado parcial daquela investigação será objecto de uma exposição realizada em Lisboa em 1959 e é neste contexto que surge a intenção explícita da criação de um Museu de Etnologia. Em 1965 o museu é criado com o ambicioso programa de representar as culturas dos povos do globo não se restringindo, pois, nem a Portugal nem aos domínios ultramarinos sob a sua administração.
Do diversificado acervo do museu importa referir a preocupação que acompanhou a constituição sistemática das suas principais colecções. Assim foi com aquelas que se referem ao domínio da cultura material em contexto português, que corresponde a campos de investigação traduzida em monografias que fornecem o quadro de interpretação para os objectos colectados. São disso exemplo de particular relevo os estudos sobre os arados, os sistemas de atrelagem, os equipamentos associados às actividades agro-marítimas, a tecnologia têxtil, a generalidade da alfaia agrícola. Qualquer deles foi tema de livros de referência da bibliografia etnográfica portuguesa que hoje são também indispensável contributo para a história cultural de uma sociedade tradicional eminentemente agrícola que entretanto sofreu radicais transformações. Outras colecções foram resultado de campanhas conduzidas de modo a poder representar outras áreas do globo, no sentido da afirmação universalista do museu, o que aconteceu, por exemplo, com a Amazónia brasileira ou a Indonésia, entre meados dos anos 60 e começo dos anos 70.
O edifício onde o museu agora se encontra, inaugurado em 1976, permitiu dar expressão ao programa museológico que fora definido por Jorge Dias e seus colaboradores. São duas as principais ideias que o afirmam: a ausência de exposição permanente, privilegiando as exposições temporárias que permitem problematizar, aprofundar o conhecimento e divulgar junto do público colecções e temas específicos; e a organização de reservas de modo a facultar o seu acesso aos investigadores e uma percepção visual da totalidade do seu acervo. Foi esta perspectiva que igualmente defendemos, promovendo agora novas condições de acessibilidade das reservas ao público em geral, em todos os dias de abertura do museu, o que hoje acontece com duas delas, as Galerias de Vida Rural, onde desde o ano 2000 se expõem as colecções relacionadas com a actividade agro-pastoril e outras tecnologias com esta relacionadas e as Galerias da Amazónia, onde desde 2006 o público pode tomar contacto com todos os objectos provenientes de um amplo conjunto de povos da Amazónia brasileira. É aí que se encontra uma das últimas recolhas de objectos conduzida em contexto de investigação entre os Índios Wauja do Xingu, com a participação activa destes e que é também a afirmação de um programa de trabalho que desejaríamos poder estender a qualquer recolha de objectos, qualquer que seja o seu âmbito e extensão.
Nos últimos anos, o museu tem sido gratificado com o importante contributo de algumas doações, que vieram colmatar em absoluto lacunas do seu acervo ou completar conjuntos já existentes. Assim aconteceu com as máscaras e marionetas do Mali, oferecidas por Francisco Capelo, que integraram uma das exposições de grande relevo realizadas pelo museu. O mesmo se passou com duas colecções sistemáticas de olaria, que resultaram de investigações que abarcaram todo o país ao longo de vários anos; uma incidindo sobre o barro preto, da responsabilidade de Werner Tobias, outra referenciada a todos os centros de produção oleira, conduzida por Manuel Durão e Maria Helena Lemos, acompanhada de uma extensa documentação fílmica. Destacamos estas doações entre outras de menor dimensão que igualmente têm enriquecido o acervo do museu.
Uma das vertentes do trabalho do grupo de antropólogos que criou o Museu Nacional de Etnologia foi o recurso à imagem. Com eles começa a constituição de um fundo documental de capital importância para o conhecimento do país, constituído por fotografia em todo o tipo de suporte, por filme em película e, a partir dos anos 90, por gravações vídeo. Estas têm sido um meio que no museu temos procurado desenvolver, tanto em contexto de pesquisa no terreno como na documentação das múltiplas vertentes da actividade museológica e na própria formação de estagiários e jovens investigadores que connosco trabalham. Além destes arquivos de imagem também os arquivos sonoros são um campo de conservação patrimonial e de consulta parcialmente acessíveis na Biblioteca/ Mediateca do museu.
Embora tenha sido criado como instituição em 1965, o edifício onde o museu se encontra foi inaugurado em 1976. Desenhado pelo Arquitecto António Saragga Seabra, este permitiu dar expressão ao programa museológico de carácter universalista definido por Jorge Dias e seus colaboradores, valorizando o lugar determinante da investigação antropológica. Em 2000, sob proposta do director do museu, o Arquitecto Eduardo Trigo de Sousa dá forma ao projecto de ampliação do edifício, criando-se um novo espaço de biblioteca/mediateca, duas novas áreas de reserva e o jardim envolvente. As novas reservas, agora visitáveis, são inauguradas em 2000, Galerias da Vida Rural, e em 2006, Galerias da Amazónia.

Horário

Exposição permanente O Museu, Muitas Coisas
Terça-feira das 14h00 - 18h00 e Quarta-feira a Domingo das 10h00 às 18h00:

Galerias de Vida Rural (apenas com visita acompanhada)
Terça-feira às 14h30 e Quarta-feira a Domingo às 10h30 e às 14h30 

Galerias da Amazónia (apenas com visita acompanhada)
Terça-feira às 15h30 e Quarta-feira a Domingo às 11h30 e às 15h30

Informação disponível

Catálogos de exposições, desdobráveis sobre o museu (português, inglês e francês), desdobráveis sobre as reservas visitáveis Galerias da Vida Rural (disponível em português) e Galerias da Amazónia (versão em português esgotada; disponível em inglês).

Acessibilidade

Áreas de acessibilidade total e parcial; O Museu possui alguns dispositivos para visitantes com mobilidade condicionada.

Estacionamento

Existência de parque de estacionamento próprio.

Bengaleiro

Na recepção do museu e com recurso a cacifos à entrada do museu.
Uso gratuito.

Cafetaria

De 2ª feira a domingo, das 10h00 às 17h30.

Refeições especiais

A entidade que concessiona a cafetaria do museu também proporciona serviço de catering de apoio a eventos.

Condicionamentos técnicos / segurança

Consoante as características do evento e do número de pessoas que participam, será avaliada a necessidade de reforço de segurança, cujos custos serão adicionados ao valor do aluguer.
Poderão ser colocadas algumas limitações de horário e restrição do aluguer ao fim-de-semana.

Outro equipamento

Mediateca, com horário de funcionamento de 2ª a 6ª feira, entre as 9h30 e as 17h15.

Eventos permitidos

Colóquios, acções de formação, reuniões de trabalho, lançamentos de livros, espectáculos, actividades lúdico-pedagógicas.

Espaços

Auditório

O auditório tem 220 m2, pavimento revestido a alcatifa, paredes revestidas de madeira com uma capacidade para 160 pessoas. Dispõe do seguinte equipamento: Sistema de vídeo, Sistema de áudio (microfones, microfone emissor, de lapela), Projector multimédia, Projector de slides, Retroprojector, Ecrã de projecção, Púlpito, Mesa de conferência, e Apoio técnico pelo museu.

Sala de seminário norte

Sala de reuniões ou formações com 38 m2. Pavimento revestido a linóleo, paredes de alvenaria. Capacidade para 25 lugares sentados. Dispõe do seguinte equipamento: Quadro branco, Projector multimédia, Projector de slides, Retroprojector e Tela de projecção. 

Sala de seminário sul

Sala de reuniões ou formações com 38 m2. Pavimento revestido a cortiça, paredes revestidas de madeira. Capacidade para 25 lugares sentados. Dispõe do seguinte equipamento: Mesa única comprida, Quadro branco, Projector multimédia, Projector de slides, Retroprojector e Tela de projecção. 

Jardim interior

Espaço relvado com 300 m2, adequado para actividades ao ar livre, cocktails, etc.. 

Informações úteis

Como chegar: Autocarros: 28, 714, 732
Camionetas: 113 e 114
Comboio: Estação de Belém, Linha de Cascais/Cais do Sodré
Autocarro turístico: partida de Belém, junto ao mosteiro dos Jerónimos; paragem - Museu Nacional de Etnologia

Venda de bilhetes: no local
Meios de Pagamento: dinheiro, cheque; cartão visa e multibanco.

Contactos 

Director: Joaquim Pais de Brito
Morada: Av. Ilha da Madeira, 1400-203 Lisboa
Telefone: 213 041 160
E-mail: geral@mnetnologia.dgpc.pt
Sitehttp://mnetnologia.wordpress.com/

Coordenadas GPS: Latitude: 38º42'18.93 N; Longitude: 9º12'27.30 W