Skip Navigation

Ponte D. Maria - detalhe

Designação

Designação

Ponte D. Maria

Outras Designações / Pesquisas

Ponte de Santa-Clara-a-Velha / Ponte de D. Maria / Ponte de Santa-Clara-a-Velha (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Ponte

Inventário Temático

Pontes Históricas do Alentejo

Localization

Divisão Administrativa

Beja / Odemira / Santa Clara-a-Velha

Endereço / Local

-- -
Odemira

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IM - Interesse Municipal

Cronologia

Deliberação camarária de 19-01-2006

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

World Heritage

-

General Description

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
A Ponte de D. Maria, também conhecida como Ponte de Santa Clara-a-Velha, localiza-se na margem direita do rio Mira, entre a aldeia de Santa Clara-a-Velha e a barragem.
Encontrando-se atualmente muito arruinada, conserva na margem Sul apenas o arranque de um arco e, na margem Norte, dois arcos completos bem como o arranque de um terceiro. Os arcos da ponte são todos de volta perfeita, com arquivoltas em cantaria muito bem aparelhada de tom avermelhado, assim como os pilares e os talha-mares piramidais de extrema regularidade geométrica. O tabuleiro plano encontra-se, atualmente, coberto de gravilha, não subsistindo mais do que a fundação das guardas laterais. O restante aparelho da ponte é em alvenaria de pedra simples argamassada, surgindo ainda, ao nível dos paramentos, restos do revestimento.

História
Iniciada a sua construção no tempo de D. Maria, apenas ficou concluída por volta de 1822.
Refira-se, ainda, que esta ponte se situa numa antiga via romana que ligava Arandis (Garvão) a Ossónoba (Faro) com um outro ramal para Pax Julia (Beja), razão pela qual é também conhecida como ponte romana. Apesar de não ser deste período, poderá eventualmente corresponder ao local onde existia uma outra estrutura mais antiga.
Em 1833 foi por esta ponte que passou uma das divisões expedicionárias do Duque de Terceira que acabou por entrar vitorioso em Lisboa. No entanto, em 1849, a ponte apresentava já um elevado grau de degradação originando a que a Câmara de Odemira alertasse para a necessidade urgente de a reconstruir ou substituir por outra junto à aldeia. Nos finais do século XIX, para além de não existirem guardas, começaram a surgir grandes fendas nas abóbadas dos arcos centrais obrigando ao encerramento da circulação de veículos. Mais tarde, em meados do século XX, uma obra desadequada deu origem à sua derrocada até que, em 2005, por iniciativa do ex. IPPAR se procedeu ao restauro do que subsistia deste importante monumento que, até aos dias de hoje se mantém como um importante marco cultural da região.

Maria Ramalho/DGPC/2017, com o apoio de Ana Tendeiro, C. M. de Odemira.

Images

Bibliografia

Título

Resenha Histórica do plano de urbanizaçao de Sta Clara-a-Velha de 1981 do arqt. Joao Manuel M. Frazao

Local

-

Data

-

Autor(es)

-

Título

Pontes Históricas do Alentejo

Local

Lisboa

Data

2005

Autor(es)

MARQUES, João Antonio Ferreira