Skip Navigation

Edifício na Avenida da República, onde se encontra instalada a Pastelaria Versailles - detalhe

Designação

Designação

Edifício na Avenida da República, onde se encontra instalada a Pastelaria Versailles

Outras Designações / Pesquisas

Edifício na Avenida da República, n.º 15 a 15 A / Pastelaria Versailles(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Edifício

Inventário Temático

Norte Júnior

Localization

Divisão Administrativa

Lisboa / Lisboa / Avenidas Novas

Endereço / Local

Avenida da Republica
Lisboa

Número de Polícia: 15 a 15A

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 2/96, DR, I Série-B, n.º 56, de 6-03-1996 (ver Decreto)
Edital N.º 92/92 de 21-07-1992 da CM de Lisboa
Despacho de homologação de 19-12-1980
Parecer de 19-12-1980 da Comissão "ad hoc" do IPPC a propor a classificação como IIP
Proposta de classificação de 19-12-1980 do IPPC

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

World Heritage

-

General Description

Nota Histórico-Artistica

Imóvel
Prédio de rendimento, albergando a Pastelaria Versailles no piso térreo, enquadra-se no único quarteirão do eixo Saldanha-Campo Pequeno que mantém as suas caraterísticas primo-novecentistas, correspondendo aos nºs 15-15A da Avenida da República.
De planta retangular simples, o edifício estrutura-se em 6 fogos (5 habitacionais com 310 m2 cada, e um comercial, com 290m2 e cave). A fachada principal organiza-se em dois panos de seis registos, de acentuada verticalidade, para o que concorrem algumas propostas formais: no pano esquerdo, sobreposição de janelas de sacada, de verga reta e guardas de ferro bojudas, axialmente dispostas em relação ao portão férreo, de arco pleno, rasgadas numa ampla meia cana adossada à caixa murária que arranca de "balcão" elíptico, decorado com reticulado e gomado incisos, festões e mascarões, sendo rematado por frontão interrompido, assente em colunas clássicas e flanqueado por pares de urnas em ronde bosse. No pano direito, mais largo e delimitado por pilastras da Ordem Colossal, abrem-se três vãos por registo, separados entre si nos três primeiros pisos por colunas compósitas, as do piso térreo robustas e decoradas nos capitéis e nas extremidades dos fustes; de ambos os lados, montras envidraçadas e encimadas por placas metálicas douradas, alusivas à atividade comercial aí desenvolvida. As colunas monumentais dos 1º e 2º pisos têm entase e fustes anelados na extremidade superior. A inclusão de varandas de diferentes perfis nos registos superiores amplia a volumetria e confere uma qualidade cénica ao edifício, que também aqui concentra a maior carga decorativa, dominada pelos concheados do "balcão" do 3º piso, entre duas mísulas orientalizantes, e cuja varanda se inscreve num arco abatido sustentado por pilares lavrados. O 4º piso assemelha-se a uma tribuna, com 4 colunas de fustes e capitéis lisos que sustentam o entablamento e reproduzem o número de pilares que separam as cinco janelas que lhes correspondem. O último piso é em mansarda, revestido a escamas de ardósia, com cobertura em telha, de quatro águas e claraboia em ferro. Frisos de acantos e rosas, pontas de diamante, cabochões, óvulos e elementos heráldicos como "bancos de pinchar" concorrem para a decoração eclética do edifício, a par de balaustradas que alternam, nas fenestrações, com gradeamentos de ferro. Fachada de tardoz com varandas e escadas de salvação de construção metálica, sem merecimento decorativo, à semelhança dos alçados laterais.
História
O edifício, originalmente destinado a habitação multifamiliar e a atividade comercial (restauração), resulta de uma encomenda do industrial João Antunes Lopes ao construtor José Tomás de Sousa. Por tradição, o projeto do imóvel, de 1919, é atribuído a Manuel Joaquim Norte Júnior, muito embora tal documento seja omisso no respetivo Processo de Obra da CML. Da mesma autoria, mas não assinado, será o projeto de 1921, para substituição das divisórias internas da loja por vigas de ferro.
Concluído em 20/09/1921, o imóvel foi vistoriado em 26/11/1921, estando habitado um mês depois. Em 1922, o estabelecimento comercial de Salvador José Antunes foi dotado de um forno a lenha, construído no quintal por Fausto Fernandes. Em 1939, a firma Versailles, Lda., então arrendatária da loja, foi instada a "beneficiar as montras", o que aconteceria por ocasião das obras de remodelação da Pastelaria, inequivocamente projetadas por Norte Júnior entre julho de 1947 e março de 1948 e executadas, respetivamente, por Joaquim da Silva Luzia e Libertário Martins Vagueiro. Em curso entre 1948 e outubro de 1952, os trabalhos dariam ao estabelecimento a sua configuração atual. Exemplo de uma segunda fase construtiva em que os prédios de rendimento das Avenidas Novas exibem frontispícios de maior pujança decorativa, o edifício é hoje ocupado por serviços e pela Pastelaria que lhe dá o nome.
Elsa Garrett Pinho
(Coord. Deolinda Folgado)
DGPC, 2015

Images

Bibliografia

Título

A Arquitectura do Princípio do Século em Lisboa (1900-1925).

Local

Lisboa

Data

1991

Autor(es)

FERNANDES, José Manuel

Título

Os Anos Vinte em Portugal.

Local

Lisboa

Data

1992

Autor(es)

FRANÇA, José-Augusto

Título

Guia Urbanístico e Arquitectónico de Lisboa

Local

-

Data

1987

Autor(es)

AA VV

Título

Norte Júnior: obra arquitectónica, Tese de Mestrado em História da Arte.

Local

Lisboa

Data

1989

Autor(es)

PAIXÃO, Maria da Conceição Ludovice

Título

Edifício na Avenida da República, nº 15 a 15 A / Pastelaria Versailles. SIPA - Sistema de Informação para o Património Arquitetónico

Local

Lisboa

Data

1992

Autor(es)

MACHADO, João Paulo, SILVA, João

Título

Pastelaria Versailles. In Monumentos e edifícios notáveis do distrito de Lisboa (dir. Fernando de Almeida), vol. 5, tomo 4, parte 1. pp. 145-147

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

SOROMENHO, Miguel

Título

Norte Júnior. Arquiteto ímpar da nossa freguesia. In Boletim Informativo da Junta de Freguesia de Nossa Senhora de Fátima, N.º1, XI série (agosto de 2012), pp. 13-14

Local

Lisboa

Data

2012

Autor(es)

-

Título

Arquivo Municipal de Lisboa. Obra n.º 3794

Local

Lisboa

Data

-

Autor(es)

-