Skip Navigation

Igreja de Santa Maria da Graça - detalhe

Designação

Designação

Igreja de Santa Maria da Graça

Outras Designações / Pesquisas

Sé de Setúbal / Igreja Paroquial de Santa Maria da Graça / Igreja de Santa Maria da Graça / Catedral de Setúbal / Sé de Setúbal(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localization

Divisão Administrativa

Setúbal / Setúbal / Setúbal (São Julião, Nossa Senhora da Anunciada e Santa Maria da Graça)

Endereço / Local

Rua de Santa Maria
Setúbal

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como IIP - Imóvel de Interesse Público

Cronologia

Decreto n.º 40 361, DG, I Série, n.º 228, de 20-10-1955 (ver Decreto)

ZEP

Portaria de 19-04-1960, publicada no DG, II Série, n.º 102, de 30-04-1960 (sem restrições)

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

World Heritage

-

General Description

Nota Histórico-Artistica

A igreja de Santa Maria de Setúbal é o coração do primitivo burgo medieval. Em torno deste templo desenvolveu-se o mais importante bairro medieval da cidade, simultaneamente centro religioso e político-administrativo.
Em 1513 D. Manuel ordenou a reconstrução das igrejas de Santa Maria e de São Julião, mas a obra teria ainda de esperar alguns anos devido a problemas financeiros. A feição actual do templo deve-se a uma reconstrução efectuada já na segunda metade do século XVI, estando as obras concluídas entre 1565 e 1570.
Deste projecto, que se manteve nas suas linhas essenciais até aos dias de hoje, ressalta a imponência da fachada principal, com um corpo central mais baixo ladeado por duas poderosas torres sineiras prolongadas em altura pelo desenvolvido remate pinacular em que terminam. A anteceder o portal principal, uma galilé de feição serliana sobrepujada por um terraço revela a filiação tratadística e erudita de todo o projecto, que se encontra atribuído ao arquitecto António Rodrigues, o mesmo que construiu a igreja de São Pedro de Palmela e que constitui, em menor escala, uma réplica desta igreja setubalense (SILVA, 1990, p.62 a partir de uma atribuição de Rafael Moreira).
No interior, amplamente enriquecido com campanhas decorativas dos séculos XVI a XVIII, a racionalidade e geometria do projecto revela-se na sensação de unificação espacial de toda a igreja, aqui reforçada pela sucessão de colunas toscanas que conferem maior delicadeza arquitectónica a um espaço que não é muito grande.
O engradecimento do interior com obras privadas e mobiliário litúrgico testemunha-se ao longos dos últimos anos do século XVI e princípios de XVII. Entre as várias campanhas que se sucederam, salientam-se a abertura de capelas, sendo a primeira a de Diogo de Salema (1586). Na capela-mor, realce para o magnífico retábulo em talha dourada, obra entregue a Luís da Costa, que realizou a parte em pedra, a José Rodrigues Ramalho, responsável pelo entalhamento, e Vicente Nunes, que concluiu os trabalhos de douramento já na segunda década do século XVII.
PAF

Images

Bibliografia

Título

A Arquitectura Portuguesa Chã - Entre as Especiarias e os Diamantes 1521-1706

Local

Lisboa

Data

1988

Autor(es)

KUBLER, George

Título

Noticia dos monumentos nacionaes e edificios e logares notaveis do concelho de Setubal

Local

-

Data

1882

Autor(es)

PORTELA, Manuel Maria

Título

Setúbal

Local

Lisboa

Data

1990

Autor(es)

SILVA, José Custódio Vieira da

Título

A igreja de Santa Maria da Graça em Setúbal, Extremadura, 1946-1950

Local

-

Data

-

Autor(es)

MACHADO, Fernando Falcão

Título

A Arquitectura - Maneirismo e «estilo chão», História da Arte em Portugal - O Maneirismo

Local

Lisboa

Data

1986

Autor(es)

CORREIA, José Eduardo Horta