Skip Navigation

Igreja do Carmo (ruínas) - detalhe

Designação

Designação

Igreja do Carmo (ruínas)

Outras Designações / Pesquisas

Igreja do Convento do Carmo
Museu Arqueológico do Carmo
Ruínas do Carmo

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Igreja

Inventário Temático

-

Localization

Divisão Administrativa

Lisboa / Lisboa / Santa Maria Maior

Endereço / Local

Largo do Carmo
Lisboa

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)
Decreto de 10-01-1907, DG, n.º 14, de 17-01-1907 (classificou com a designação de Ruínas da Igreja do Carmo)

ZEP

Despacho de 18-10-2011 do diretor do IGESPAR, I.P. a concordar com o parecer e a devolver o processo à DRC de Lisboa e Vale do Tejo para apresentar propostas de ZEP individuais, ou conjuntas nos casos em que tal se justifique
Parecer de 10-10-2011 da SPA do Conselho Nacional de Cultura a propor o arquivamento
Proposta de 22-08-2006 da DR de Lisboa para a ZEP conjunta do Castelo de São Jorge e restos das cercas de Lisboa, Baixa Pombalina e imóveis classificados na sua área envolvente

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

World Heritage

-

General Description

Nota Histórico-Artistica

Mandado construír em 1389 pelo Condestável D. Nuno Álvares Pereira, este edifício sofreu diversas campanhas, que lhe foram alterando a feição inicial. De entre elas, destacam-se as realizadas durante o pós-terramoto de 1755, apesar de não terem observado a necessidade de cobrir as naves, o cruzeiro e o transepto da igreja, quer devido à ausência dos meios necessários ao seu restauro e/ou adaptação, como de uma certa postura assumida no âmbito da teoria de conservação e restauro mantida pelos nossos mais destacados intelectuais desde, pelo menos, o 1.º quartel de oitocentos.
De planta de cruz latina, constituída por três naves de cinco tramos, transepto saliente e cabeceira escalonada com a capela-mor ladeada por quatro absidíolos de diferentes dimensões - quer em largura, como em profundidade -, o seu frontespício encontra-se dividido em três panos, terminando em empena os laterais, rasgando-se por um amplo vão rectangular.
Contrafortado com portal de arco com seis arquivoltas sobre colunas de capitéis vegetalistas, e inscrito em alfiz, o seu corpo central termina com uma rosácea truncada. Interiormente, as suas naves encontram-se apartadas por intermédio de pilares cruciformes, de capitéis vegetalistas e arcos quebrados, sendo que as naves laterais possuem, cada uma, quatro capelas, de arco igualmente quebrado, e emolduradas por colunas segmentadas, coroadas por janelas de vão curvo, no intervalo das quais encontramos mísulas de arranque das abóbadas.
Desde 1864 que serve, simultaneamente, de sede da Associação dos Arqueólogos Portugueses e de espaço museológico - Museu Arqueológico do Carmo (MAC), também ele pertença desta sociedade secular.
[AMartins]

Images

Bibliografia

Título

"Igreja do Convento do Carmo, Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa"

Local

-

Data

1973

Autor(es)

SILVA, Jorge Henrique Pais da

Título

"Largo do Carmo, Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa"

Local

-

Data

1973

Autor(es)

SILVA, Jorge Henrique Pais da

Título

"Carmo (Convento e Igreja do), in Dicionário da História de Lisboa"

Local

Lisboa

Data

1994

Autor(es)

-