Skip Navigation

Villa Romana da Quinta da Bolacha - detalhe

Designação

Designação

Villa Romana da Quinta da Bolacha

Outras Designações / Pesquisas

Villa romana da Quinta da Bolacha(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Villa

Inventário Temático

-

Localization

Divisão Administrativa

Lisboa / Amadora / Falagueira - Venda Nova

Endereço / Local

- Sítio da Falagueira
-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como SIP - Sítio de Interesse Público

Cronologia

Portaria n.º 740-DI/2012, DR, 2.ª série, n.º 248 (suplemento), de 24-12-2012 (com áreas de sensibilidade arqueológica) (ver Portaria)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 29-11-2012 da diretora-geral da DGPC
Anúncio n.º 13546/2012, DR, 2.ª série, n.º 197, de 11-10-2012 (ver Anúncio)
Despacho de concordância de 13-02-2012 do diretor do IGESPAR, I.P.
Parecer favorável de 23-01-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Nova proposta de 6-01-2012 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo
Procedimento prorrogado até 31-12- 2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Proposta de 14-11-2011 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo sobre as restrições a aplicar ao sítio
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Despacho de concordância de 18-06-2010 do diretor do IGESPAR, I.P.
Parecer de 21-04-2010 do Conselho Consultivo a propor a classificação como SIP
Proposta de 27-07-2009 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo para a classificação como de IP
Edital de 10-01-2003 da CM da Amadora
Despacho de abertura de 10-10-2001 do vice-presidente do IPPAR
Parecer favorável de 9-10-2001 do IPA
Proposta de 19-06-2000 da DR de Lisboa para a aberura da instrução de processo de classificação
Proposta de classificação de 19-11-2006 da Associação de Arqueologia da Amadora

ZEP

Portaria n.º 740-DI/2012, DR, 2.ª série, n.º 248 (suplemento), de 24-12-2012 (com áreas de sensibilidade arqueológica) (ver Portaria)
Relatório final do procedimento aprovado por despacho de 29-11-2012 da diretora-geral da DGPC
Anúncio n.º 13546/2012, DR, 2.ª série, n.º 197, de 11-10-2012 (ver Anúncio)
Despacho de concordância de 13-02-2012 do diretor do IGESPAR, I.P.
Parecer favorável de 23-01-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Nova proposta de 6-01-2012 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo
Proposta de 14-11-2011 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo sobre as restrições a aplicar à ZEP
Proposta de 27-07-2009 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido por outra classificação

World Heritage

-

General Description

Nota Histórico-Artistica

Com vestígios de ocupação humana que remontam ao Paleolítico, e maior concentração de arqueossítios identificados até ao momento datáveis do Neolítico, o actual município da Amadora mereceu sempre uma atenção especial por parte dos pioneiros da Arqueologia portuguesa, constituindo, já no segundo quartel do século XX, uma das áreas de prospecção privilegiada do director do, já então, "Museu do Dr. José Leite de Vasconcellos", Manuel Heleno (1894-?), professor universitário, à semelhança do seu predecessor e fundador do espaço museológico que dirigia, essa figura de referência dos estudos etnográficos e arqueológicos portugueses que foi José Leite de Vasconcellos (1858-1941).
A procura deste território por parte de diferentes comunidades ao longo de milénios seria facilmente explicada pela diversidade dos recursos cinegéticos que oferecia, de entre os quais a riqueza de linhas de água não seria, certamente, alheia. Uma especificidade que terá atraído, sem dúvida, a fixação humana já no período romano, especialmente estimulada pela fertilidade dos seus solos, ao mesmo tempo que pela proximidade que mantinha com a importante urbe de Felicitas Julia Olissipo (Lisboa).
Descoberta em finais dos anos setenta do século XX, durante uma prospecção ao percurso do aqueduto romano que abasteceria Olissipo (Do Paleolítico ao Romano, p. 64), a "Villa romana da Quinta da Bolacha" foi objecto de sondagens apenas no início da década seguinte, identificando-se, então, diversas estruturas, de entre as quais um tanque revestido a opus signinum, ou seja, a argamassa obtida com cal, areia e tijolo moído, amplamente utilizada pelos romanos, justamente para impermeabilização.
Os trabalhos desde então conduzidos no local, de forma descontínua devido a uma série de condicionalismos, possibilitaram a recolha dos mais diversos materiais, com destaque para os sempre abundantes, nestes casos, exemplares de tegulae (telhas rectangulares) e imbrices (telha em forma de meia cana), elementos arquitectónicos, por excelência.
Foram, ainda, exumados artefactos naquela que constituiria a área residencial da uilla, isto é, a pars urbana, em contraponto (ou complemento) à pars rustica, zona essencialmente agrícola de todo o complexo latifundiário, o entendimento contemporâneo que mais se aproximará desta realidade romana. Uma interpretação reforçada pela existência de paredes estucadas, assim como pela qualidade de alguns materiais escavados, a exemplo de copos e taças de vidro, das cerâmicas, como a comum, aqui representada por potes e panelas (Cf. ENCARNAÇÃO, G., 2003).
Mas, em especial, no que se refere aos fragmentos de terra sigillata sud-gálica, hispânica e africana (esta última majoritária), a testemunharem, no fundo, a inserção deste sítio, obviamente em época romana, num modelo de circulação alargada de determinados produtos, que, como no caso desta louça fina, de mesa, não chegaram a ser fabricados no actual solo português. Cerâmica importada, por excelência, a presença de terra sigillata demonstra bem como a uilla desfrutava, à época, de uma economia aberta, certamente proporcionada pelas vias naturais (mas não só) de circulação, ao mesmo tempo que o poder económico fruído pelos respectivos proprietários, evidenciado, ademais, pela presença de mosaicos, a julgar pelas tesselas recolhidas nesta unidade agrícola utilizada entre os séculos III e IV d. C..
[AMartins]

Images

Bibliografia

Título

300 Sítios arqueológicos visitáveis em Portugal, Al-madan

Local

Almada

Data

2001

Autor(es)

RAPOSO, Jorge

Título

Sentir o Romano. Vestígios Materiais

Local

Amadora

Data

1997

Autor(es)

VV. A. A.

Título

Do Paleolítico ao Romano

Local

Amadora

Data

1999

Autor(es)

MIRANDA, Jorge Augusto, ENCARNAÇÃO, Gisela, ROCHA, Eduardo

Título

A Villa romana da Quinta da Bolacha. Um caso de arqueologia urbana, Actas do Quarto Encontro de Arqueologia Urbana

Local

Amadora

Data

2003

Autor(es)

ENCARNAÇÃO, Gisela