Skip Navigation

Conjunto monumental urbano e enquadramento paisagístico da Nazaré - detalhe

Designação

Designação

Conjunto monumental urbano e enquadramento paisagístico da Nazaré

Outras Designações / Pesquisas

Núcleo urbano da vila da Nazaré(Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Conjunto

Inventário Temático

-

Localization

Divisão Administrativa

Leiria / Nazaré / Nazaré

Endereço / Local

-- -
Nazaré

Proteção

Situação Actual

Procedimento encerrado / arquivado - sem protecção legal

Categoria de Protecção

Não aplicável

Cronologia

Anúncio n.º 13653/2012, DR, 2.ª série, n.º 213, de 5-11-2012 (ver Anúncio)
Despacho de arquivamento de 24-10-2012 do diretor-geral da DGPC
Despacho de 23-10-2012 do Secretário de Estado da Cultura a revogar o despacho de homologação
Parecer favorável de 29-02-2012 da SPAA do Conselho Nacional de Cultura
Proposta de 10-02-2012 da DRC de Lisboa e Vale do Tejo para arquivamento do procedimento, por não ter valor nacional
Procedimento prorrogado até 31-12-2012 pelo Decreto-Lei n.º 115/2011, DR, 1.ª série, n.º 232, de 5-12-2011 (ver Diploma)
Procedimento prorrogado pelo Despacho n.º 19338/2010, DR, 2.ª série, n.º 252, de 30-12-2010 (ver Despacho)
Informação favorável de 25-08-1995 da DR de Lisboa
Proposta de 24-05-1995 da CM da Nazaré para revogação do despacho de homologação, atendendo à extensão da área em causa
Em 19-05-1995 foi solicitado à CM da Nazaré o envio de uma informação sobre a classificação
Edital de 11-05-1976 da CM da Nazaré
Despacho de homologação de 6-12-1974
Proposta de classificação de 29-11-1974 da 4.ª Subsecção da 2.ª Secção da JNE (limites: a Norte a estrada florestal, desde a costa até ao lugar do Calhau, seguindo depois os caminhos até encontrar a Leste de novo a estrada florestal. o mesmo sucedendo do lado Sul até encontrar a EN 242, e daqui até ao Sul da foz do rio Alcobaça)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

World Heritage

-

General Description

Nota Histórico-Artistica

O núcleo primitivo da Nazaré dividia-se entre os pólos do Sítio e da Pederneira, sendo estas habitada desde o século XII por uma comunidade de pescadores. Tornou-se um dos mais importantes portos de mar medievais que integrava os coutos do Mosteiro de Alcobaça, sendo o seu primeiro foral outorgado pelo grande cenóbio cisterciense.
Durante os séculos XV e XVI este porto teve um papel activo na empresa dos Descobrimentos, uma vez que aqui funcionava um dos maiores estaleiros navais do país. Desta época áurea, em que a população aumentou consideravelmente devido ao fluxo migratório oriundo da comunidade piscatória de Paredes, a Pederneira conserva os antigos Paços do Concelho, o pelourinho manuelino e a matriz quinhentista.
A zona do Sítio está ligada à Ermida da Memória, que segundo a lenda foi fundada nos finais do século XII por D. Fuas Roupinho, alcaide da vila de Porto de Mós, depois de o nobre ter sido salvo, por intercessão da Virgem, de uma queda no precipício sobranceiro à praia da Nazaré. A ermida foi reedificada no início da centúria de Seiscentos.
No reinado de D. João V, foi edificado no Sítio o Paço Real da Nazaré, por ordem de D. Nuno Álvares Pereira de Mello, Duque de Cadaval, para que aí se albergasse a Família Real nas suas visitas a esta localidade.
Foi precisamente no século XVIII que a Nazaré conheceu um novo surto demográfico. Com a progressiva decadência da vila da Pederneira e o fim dos ataques de barcos piratas, conjugados com o recuo da linha da costa, que deu origem a um extenso areal, a Praia tornou-se um local atractivo para a fixação de uma nova comunidade de pescadores oriunda de Ílhavo. Este grupo, que se fixou na zona baixa da povoação, levou consigo as técnicas de pesca de arrasto, originando uma alteração profunda na economia local.
A partir desta época, o povoado consolidou-se junto à praia, e as casas dos pescadores, dispostas em arruamentos alinhados perpendicularmente à linha de costa para a protecção dos ventos, dominaram o desenvolvimento urbano. A partir do século XIX, este tornou-se o centro populacional, económico e social da Nazaré, passando para aqui a administração do concelho.
Catarina Oliveira
IPPAR/2006

Bibliografia

Título

A Pederneira - apontamentos para a história dos seus mareantes, pescadores, calafates e das suas construções navais, nos sécs. XV a XVII, O Archeologo Português, vol. 25

Local

Lisboa

Data

1922

Autor(es)

COELHO, Possidónio Mateus Laranjo