Skip Navigation

Aqueduto de Vila do Conde - detalhe

Designação

Designação

Aqueduto de Vila do Conde

Outras Designações / Pesquisas

Aqueduto de Santa Clara (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Civil / Aqueduto

Inventário Temático

-

Localization

Divisão Administrativa

Porto / Vila do Conde / Vila do Conde

Endereço / Local

-- -
Vila do Conde

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

World Heritage

-

General Description

Nota Histórico-Artistica

Fundado no início do século XIV, a comunidade monacal de Santa Clara de Vila do Conde debateu-se desde o início da edificação do mosteiro com problemas relacionados com o abastecimento de água. Na época foi construído um tanque, uma "arca de água", dentro da cerca do mosteiro, uma solução que se tornou insuficiente nas centúrias seguintes.
Em 1626 a abadessa do mosteiro, D. Maria de Meneses, deu início à construção de um aqueduto que transportaria as águas de uma nascente em Terroso até ao mosteiro. Os terrenos necessários à edificação foram adquiridos pela abadessa, e contrataram-se mestres pedreiros para darem início à fábrica de obras. No ano de 1636 estas eram interrompidas, devido a um problema de desnivelamento que inviabilizou todo o trabalho feito até então.
Em Dezembro de 1705 D. Bárbara de Ataíde, a nova abadessa, contratou o engenheiro militar Manuel Pinto de Villa Lobos e o capitão Domingos Lopes para delinearem um novo projecto para o aqueduto. A direcção das obras foi adjudicada a João Rodrigues, mestre pedreiro de Ponte de Lima. Algum tempo depois, o mestre abandonou as obras, por falência, pelo que as Clarissas entregaram a obra a Domingos Moreira, mestre de Moreira da Maia. Em Outubro de 1714 a água chegava pela primeira vez ao claustro do mosteiro.
O aqueduto era formado inicialmente por um conjunto de 999 arcos de volta perfeita, abrangendo uma extensão que ultrapassa o actual limite do concelho de Vila do Conde. No entanto, em 1794 um furacão destruiu parte da estrutura. Já no século XX, entre 1929 e 1932, quando a igreja de Santa Clara foi restaurada, alguns dos arcos foram intencionalmente deitados abaixo, para que se tivesse melhor vista sobre a abside do templo.
A estrutura subsistente apresenta uma arcada cuja altura e envergadura decrescem, apresentando nalguns troços fenestração no remate superior. A obra foi dedicada pelas freiras clarissas a Santo António, tendo sido colocada uma imagem do padroeiro no depósito do aqueduto.
Catarina Oliveira
GIF/IPPAR/ 28 de Fevereiro de 2005

Images

Bibliografia

Título

O Minho Pitoresco

Local

Lisboa

Data

1887

Autor(es)

VIEIRA, José Augusto

Título

Vila do Conde e o seu Alfoz - Origens e Monumentos

Local

Porto

Data

1923

Autor(es)

FERREIRA, Augusto

Título

Vila do Conde

Local

Lisboa

Data

1998

Autor(es)

MIRANDA, Marta

Título

Vila do Conde

Local

Vila do Conde

Data

1991

Autor(es)

NEVES, Joaquim Pacheco

Título

O aqueduto de Santa Clara de Vila do Conde, in Boletim de Vila do Conde, nº 2

Local

Vila do Conde

Data

1961

Autor(es)

FREITAS, Eugénio de Andrea da Cunha e