Skip Navigation

Sé de Lisboa - detalhe

Designação

Designação

Sé de Lisboa

Outras Designações / Pesquisas

Sé Catedral de Lisboa / Igreja de Santa Maria Maior / Catedral de Lisboa / Igreja Paroquial da Sé Patriarcal / Igreja de Santa Maria Maior (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arquitectura Religiosa / Sé, Catedral

Inventário Temático

-

Localization

Divisão Administrativa

Lisboa / Lisboa / Santa Maria Maior

Endereço / Local

Largo da Sé
Lisboa

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)
Decreto de 10-01-1907, DG, n.º 14, de 17-01-1907

ZEP

Despacho de 18-10-2011 do diretor do IGESPAR, I.P. a concordar com o parecer e a devolver o processo à DRC de Lisboa e Vale do Tejo para apresentar propostas de ZEP individuais, ou conjuntas nos casos em que tal se justifique
Parecer de 10-10-2011 da SPA do Conselho Nacional de Cultura a propor o arquivamento
Proposta de 22-08-2006 da DR de Lisboa para a ZEP conjunta do Castelo de São Jorge e restos das cercas de Lisboa, Baixa Pombalina e imóveis classificados na sua área envolvente
Portaria de 21-08-1961, publicada no DG, II Série, n.º 213, de 11-09-1961 (sem restrições) (ZEP da Sé de Lisboa, do portal principal da Igreja da Madalena, das Lápides das Pedras Negras, da Igreja da Conceição Velha, da Casa de Brás de Albuquerque e da Igreja de Santo António de Lisboa)
Despacho de homologação de 18-07-1961
Parecer (favorável) de 9-06-1961 da 1.ª Sub-Secção da 6.ª Secção da JNE
Proposta de 7-01-1961 da DGEMN

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

World Heritage

-

General Description

Nota Histórico-Artistica

Construída, ao que tudo indica, sobre a antiga mesquita muçulmana, o primeiro impulso edificador da Sé de Lisboa deu-se entre 1147, data da Reconquista da cidade, e os primeiros anos do século XIII, projecto em que se adoptou um esquema idêntico ao da Sé de Coimbra, com três naves, trifório sobre as naves laterais, transepto saliente e cabeceira tripartida, modelo essencialmente de raiz normanda, devido, com grande probabilidade, à origem do arquitecto Roberto.
Nos séculos seguintes, deram-se as transformações mais marcantes, com a construção da Capela de Bartolomeu Joanes, do lado Norte da entrada principal (uma capela privada de carácter funerário instituída por este importante burguês da Lisboa medieval, para si e para os seus companheiros), o claustro dionisino (obra marcante na evolução da arte gótica nacional, que apesar da sua planta irregular e localização a nascente do conjunto edificado, é uma das construções mais emblemáticas no processo de renovação arquitectónica e escultórica verificada no reinado de D. Dinis) e, especialmente, a nova cabeceira com deambulatório, mandada construir por D. Afonso IV para seu panteão familiar. Esta constitui o mais importante capítulo gótico entre Alcobaça e a Batalha e é o único deambulatório catedralício gótico nacional.
Ao longo da Idade Moderna o edifício foi objecto de enriquecimentos arquitectónicos e artísticos vários, como o testemunha a Sacristia de meados do século XVII (obra de charneira do Portugal restaurado), ou a grandiosa capela-mor barroca (das primeiras décadas do século XVIII), mas a grande parte destas obras foi suprimida nas duas campanhas de restauro da primeira metade do século XX, cujo objectivo foi a "restituição" da atmosfera medieval a todo o conjunto.
Nos primeiros anos de Novecentos, Augusto Fuschini pretendeu reinventar uma catedral medieval, com laivos de fantasia neo-gótica (como o projecto para a nova cabeceira) e neo-clássica (com as grandes colunas para a entrada principal, cujos restos repousam ainda no claustro). A sua morte, em 1911, veio determinar o abandono do projecto. Nas décadas seguintes, sob o impulso de António do Couto Abreu, o restauro da Sé privilegiou as estruturas pré-existentes, dotando o edifício de um aspecto neo-românico evidente, cuja inauguração solene foi efectuada em 1940, num dos momentos de maior celebração do Estado Novo.
PAF

Images

Bibliografia

Título

Lisboa Antiga. Bairros Orientais

Local

Lisboa

Data

1937

Autor(es)

CASTILHO, Júlio de

Título

A Arquitectura Gótica em Portugal

Local

Lisboa

Data

1981

Autor(es)

CHICÓ, Mário Tavares

Título

A Catedral de Lisboa e a arte portuguesa da Idade Média, separata de Belas Artes, nº6

Local

Lisboa

Data

1953

Autor(es)

CHICÓ, Mário Tavares

Título

Perspectivas sobre a flora românica da «escola» lisbonense. A propósito de dois capitéis desconhecidos de Sintra no Museu do Carmo, Sintria, vol. I-ii, pp.529-560

Local

Sintra

Data

1983

Autor(es)

REAL, Manuel Luís

Título

Iconografia do Apocalipse: uma nova leitura do portal ocidental da Sé de Lisboa, Revista Estudos - Património, nº7, pp.91-100

Local

Lisboa

Data

2004

Autor(es)

FERNANDES, Paulo Almeida

Título

O sítio da Sé de Lisboa antes da Reconquista, Artis, nº1, pp.57-87

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

FERNANDES, Paulo Almeida

Título

A heráldica medieval na Sé de Lisboa, Boletim Cultural da Assembleia Distrital de Lisboa, 3ª série, nº88

Local

Lisboa

Data

1984

Autor(es)

TÁVORA, Luís Gonzaga de Lencastre e

Título

Memórias de Pedra. Escultura Tumular Medieval da Sé de Lisboa

Local

Lisboa

Data

2002

Autor(es)

FERNANDES, Carla Varela

Título

Túmulo de D. Lopo Fernandes Pacheco, Nos Confins da Idade Média. Arte Portuguesa Séculos XII-XV, 1992

Local

Lisboa

Data

1992

Autor(es)

BARROCA, Mário Jorge

Título

Sé Catedral de Lisboa

Local

Lisboa

Data

2000

Autor(es)

SERRÃO, Vítor, NETO, Maria João Baptista

Título

O claustro da Sé de Lisboa: uma arquitectura «cheia de imperfeições»?, Murphy, nº1, pp.18-69

Local

Coimbra

Data

2006

Autor(es)

FERNANDES, Paulo Almeida