Skip Navigation

Anta da Herdade da Candieira - detalhe

Designação

Designação

Anta da Herdade da Candieira

Outras Designações / Pesquisas

Anta da Herdade da Candieira (Ver Ficha em www.monumentos.gov.pt)

Categoria / Tipologia

Arqueologia / Anta

Inventário Temático

-

Localization

Divisão Administrativa

Évora / Redondo / Redondo

Endereço / Local

Herdade da Canieira, Aldeia da Serra, EM 381, Redondo - Estremoz
-

Proteção

Situação Actual

Classificado

Categoria de Protecção

Classificado como MN - Monumento Nacional

Cronologia

Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910 (ver Decreto)

ZEP

-

Zona "non aedificandi"

-

Abrangido em ZEP ou ZP

Abrangido por outra classificação

World Heritage

-

General Description

Nota Histórico-Artistica

Classificada como "Monumento Nacional" em 1910, a "Anta da Herdade da Candieira" foi construída entre o IV milénio a. C. e o III milénio a. C de modo relativamente isolado numa pequena encosta dos planaltos que precedem as ravinas mais abruptas da Serra d'Ossa, enquadrando-se cronologicamente no entendimento generalizado de "Megalitismo eborense", cujo exemplar mais notável é geralmente atribuído à "Anta Grande da Comenda da Igreja", localizada em Montemor-o-Novo.
Da primitiva estrutura megalítica, remanescem in situ sete dos esteios que comporiam a respectiva câmara sepulcral de planta poligonal centralizada, com cerca de três metros de diâmetro e quase dois metros de altura, bem como a correspondente laje de cobertura - ou "chapéu" -, executada em xisto. Do corredor original, de planta rectangular oblonga, chegaram até nós fragmentos de apenas dois dos seus esteios erguidos junto à abertura da câmara, sendo ainda visíveis alguns vestígios da existência de mamoa - ou tumulus -, que teria cerca de cinco metros de diâmetro.
A originalidade deste exemplar megalítico residirá, contudo, na presença de uma pequena abertura quadrangular no esteio de cabeceira da câmara funerária, com cerca de vinte por vinte centímetros de largura, constituindo, o que, também por isso, o transforma num exemplar único do círculo megalítico de toda a região alentejana. E embora se desconheçam, até ao momento, as suas reais funções (que as gentes locais ainda designam, muito significativamente, por "buraco da alma"), elas deveriam carrear toda uma carga mágico-religiosa inerente a rituais funéreos específicos das comunidades que ergueram e fruíram o monumento, embora persistam algumas dúvidas relativamente à contemporaneidade destas duas realidades materiais, que alguns autores entendem separadas no tempo.
[AMartins]

Bibliografia

Título

Die Megalithgraber der Iberischen Halbinsel: der Westen, Madrider Forschungen

Local

Berlim

Data

1959

Autor(es)

LEISNER, Vera, LEISNER, Georg Klaus

Título

Excursão Archeologica `Extremadura Transtagana, O Archeologo Português

Local

-

Data

1914

Autor(es)

VASCONCELOS, José Leite de

Título

Religiões da Lusitania I.

Local

-

Data

-

Autor(es)

VASCONCELLOS, José de Leite de

Título

Les Âges Préhistoriques de l'Espagne et du Portugal.

Local

-

Data

1884

Autor(es)

CARTAILHAC, Emile

Título

Antas-capelas e capelas junto a antas no território português: elementos para o seu estudo, A Cidade de Évora, 2ª série, nº1, pp.287-329

Local

Évora

Data

1996

Autor(es)

SARANTOPOULOS, Panagiotis, BALESTEROS, Carmen, OLIVEIRA, Jorge de

Título

Carta Arqueológica do Concelho do Redondo, Câmara Municipal do Redondo, 2001

Local

Redondo

Data

2001

Autor(es)

CALADO, Manuel João Maio, MATALOTO, Rui