Skip Navigation

Iniciativas 05/23/2018

A Convenção de Faro e a Regeneração das Comunidades | Bairro da Mouraria é estudo de caso em Seminário Internacional

Cerca de cinco dezenas de especialistas portugueses e estrangeiros participam nos dias 24 e 25 de maio num Seminário sobre o papel do Património na regeneração das comunidades, no âmbito da implementação da Convenção de Faro, cujo programa inclui visitas técnicas de campo ao bairro lisboeta da Mouraria.

Guilherme d’Oliveira Martins, coordenador nacional do Ano Europeu do Património Cultural e um dos responsáveis pela redação da Convenção de Faro (2005), é um dos oradores neste encontro, na manhã do dia 24.

O Seminário enquadra-se no Plano de Ação da Convenção, que promove experiências baseadas em campo, para discussão de um tema comum e apresentação de soluções adaptadas aos contextos regionais e nacionais. O entendimento subjacente é que as pessoas (comunidades) são as verdadeiras criadoras do património cultural, atribuindo significados distintos aos bens patrimoniais e à cultura, de acordo com as suas narrativas e contextos.

Em Lisboa vão ser debatidas as seguintes questões:

·       Desertificação de zonas rurais;
·       Gentrificação;
·       Mercantilização descontrolada do Património;
·       Migração;
·       Exclusão social;
·       Alteração da natureza dos bairros;
·       Qualidade de vida, dignidade, identidade e representação democrática

·       Direito individual de viver a cultura e o património.

 

O programa inclui a realização de três workshops comunitários. Os participantes vão reunir com diversos membros da comunidade, ouvindo narrativas diversas e trocando pontos de vista. O objetivo é aferir se as realidades apresentadas se relacionam com a realidade das comunidades que os próprios conhecem e trabalham.

O Seminário é uma iniciativa conjunta da Direção-Geral do Património Cultural e do Conselho da Europa, que conta com a colaboração da Associação Gerador e da Associação Renovar a Mouraria.

 

São objetivos do Seminário promover o contacto com as comunidades locais que vivem o processo de regeneração comunitária e discutir o papel do Património e dos direitos patrimoniais no processo de regeneração das comunidades.